IP3 reaberto ao trânsito e quase 6000 bombeiros no terreno

O primeiro de vários autocarros retidos desde domingo em Albergaria partiu depois das 08:00. Incêndio na Lousã é o que mobiliza mais meios.

A circulação automóvel no Itinerário Principal 3 (IP3) entre Viseu e Coimbra foi reaberta esta manhã, mas o troço entre Coimbra e Penacova continua condicionado, informou a GNR.

De acordo com fonte da GNR, a via está aberta e transitável, depois dos problemas registados durante a noite de domingo, sobretudo, quando milhares de pessoas se aglomeraram naquele trajeto.

Em Albergaria-a-Velha, no distrito de Aveiro, saiu depois das 08:00 da manhã o primeiro dos autocarros retidos desde domingo no Centro Coordenador de Transportes, disse ao DN fonte daquela infraestrutura.

Pelo menos sete autocarros e dezenas de passageiros ainda estão a aguardar indicação para partir em direção a locais como Castelo Branco, Viseu, São Pedro do Sul, Oliveira de Frades, Covilhã ou Fundão, adiantou a mesma fonte,

Ao início desta manhã estavam cerca de 6000 homens no terreno a combater as chamas em todo o país, apoiados por cerca de 1800 veículos, após um fim de semana com seis mortos, casas ardidas e famílias realojadas.

Segundo os dados disponíveis pelas 07:30 na página da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), são 22 os incêndios mais importantes.

O que mais meios mobiliza, com 659 bombeiros, é o que lavra há 24 horas na freguesia de Lousã e Vilarinho, na Lousã (Coimbra).

Centenas de incêndios deflagraram no domingo causando pelo menos seis mortos, 25 feridos, povoações evacuadas e casas destruídas.

No primeiro 'briefing' do dia, a adjunta nacional de operações da Proteção Civil Patrícia Gaspar disse que domingo, 15 de outubro, "foi o pior dia do ano em matéria de incêndios".

Durante o dia de domingo registaram-se 443 incêndios, sendo que os distritos mais afetados foram Aveiro (com 56 fogos), Braga (com 38), Coimbra (com 25), Porto (com 120 incêndios) e Viseu (com 36).

O primeiro-ministro, António Costa, disse manter a confiança na ministra da Administração Interna, posição tomada no Comando Nacional de Operações de Socorro da Autoridade Nacional de Proteção Civil, em Oeiras, tendo ao seu lado a ministra, Constança Urbano de Sousa.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, solidarizou-se com as populações e defendeu que "se analise" o que aconteceu este ano em Portugal no que diz respeito aos incêndios.

Os fogos que estão em curso desde domingo provocaram pelo menos seis mortos: duas pessoas morreram em Penacova (distrito de Coimbra), uma na Sertã (distrito de Castelo Branco) e duas em Oliveira do Hospital. Uma sexta vítima mortal foi registada em Nelas (Viseu), tratando-se de uma pessoa que estava dada como desaparecida.

Em Nelas, outra pessoa continua desaparecida.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.