Web summit arrancou com milhares à porta e falhas na internet

O fundador da Web Summit tentou mostrar um tutorial sobre como funciona o 'live streaming' do evento, mas o wifi não colaborou

Cerca de 3.000 pessoas ficaram à porta do Meo Arena e falharam a cerimónia de abertura da Web Summit por terem chegado demasiado tarde ao evento, tal como também falhou a ligação 'wi-fi' do fundador da iniciativa em pleno palco.

"Quando vos pedi para chegarem mais cedo para arranjar lugar [na Web Summit] ninguém acreditou. Estão 3.000 pessoas lá fora que não conseguiram chegar a tempo e acompanham o evento em 'streaming' através de ecrãs", disse o presidente executivo e fundador da Web Summit, Paddy Cosgrave.

Perante um Meo Arena com 15 mil pessoas, Paddy Cosgrave pediu a todos os presentes para fazer do seu telemóvel um meio de transmissão do arranque do evento para quem ficou de fora, sobretudo "amigos e familiares de todo o mundo".

Cosgrave tentou exemplificar um tutorial sobre o 'live streaming' na rede social Facebook, mas o seu telemóvel não respondeu à velocidade exigida num evento de tecnologia, como provou a imagem do equipamento projetada em dois ecrãs gigantes do palco central.

"Vamos tentar mais tarde", disse Cosgrave, enquanto mensagens e contactos seus pessoais apareciam perante milhares de pessoas.

E assim foi, o 'patrão' da web Summit numa nova subida ao palco voltou a tentar, sendo desta vez bem-sucedido e pedindo um aplauso para a operadora de telecomunicações Portugal Telecom, responsável pela infraestrutura de 'wi-fi' do Meo arena, explicando que tinha estado ligado a uma outra rede móvel, que não esta.

"Quero agradecer à Portugal Telecom, peço um forte aplauso. Obrigada Portugal Telecom por fazer funcionar o 'wifi'", afirmou, acrescentando "desejo melhor sorte para a Vodafone na próxima vez", desvendando assim o nome da operadora.

Em declarações à agência Lusa, fonte oficial da Portugal Telecom também afirmou que "a questão foi alheia à PT" e que "a primeira tentativa de ligação foi feita através de uma rede móvel de outro operador que não o Meo".

"Na segunda tentativa ligando-se a rede de 'wi-fi' implementada no Meo Arena, o acesso feito foi bem-sucedido, tendo conseguido navegar normalmente", disse a mesma fonte.

Paddy Cosgrave aproveitou uma nova ocasião para reforçar o apelo aos participantes para que cheguem cedo ao recinto.

"A minha mensagem e o meu forte conselho para toda a gente que vem amanhã [terça-feira] e para os que querem estar cá é que venham cedo, para os outros não se preocupem que vamos por tudo 'online' mais tarde", disse, já depois de ter adiantado que também está montado no exterior um grande ecrã em 'streaming'.

Na sua primeira intervenção, o fundador voltou a falar sobre o espírito da cidade de Lisboa, que classificou "como único", e sublinhou a participação de mais de 53 mil pessoas na edição deste ano da Web Summit, a primeira em Lisboa, lembrando que há seis anos na sua Dublin natal só conseguiu mover 450 pessoas.

"Isto é completamente louco, quando começámos, 450 pessoas apareceram, ou seja, as duas ou três primeiras filas que temos aqui hoje", comparou Paddy Cosgrave, deixando para o fim "uma palavra final", o facto de esta também ser a primeira edição sem a sua mulher, mãe há três semanas.

Cosgrave só não referiu o nome da bebé, que não podia deixar de estar relacionado com a terminologia tecnológica: batizou a filha de Cloud.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.