Votação final: 17 deputados do PSD votaram a favor da adoção plena

Adoção por todos os casais foi aprovada com votos favoráveis de PS, BE, PCP, PEV e PAN. Foi ainda aprovada a lei que revoga alterações ao regime da IVG

Era uma votação esperada e que não teve grandes surpresas: a adoção por casais homossexuais, até aqui impossibilitada por lei, passou esta sexta-feira, na votação final global, com os votos favoráveis das bancadas do PS, BE, PCP, PEV, PAN e ainda 17 deputados do PSD. Entre estes estão vários ex-governantes, como Aguiar Branco, Jorge Moreira da Silva, Paula Teixeira da Cruz e Emídio Guerreiro.

Houve ainda duas abstenções de deputadas do CDS (Ana Rita Bessa e Teresa Caeiro), quatro do PSD (Berta Cabral, Duarte Marques, Odete Silva e Teresa Morais) e de um deputado socialista (António Cardoso).

Também a lei que revogou as alterações à interrupção voluntária da gravidez, aprovadas no final da legislatura anterior, foi aprovada com os votos das bancadas da esquerda, do PAN e da deputada social-democrata, Paula Teixeira da Cruz, que furou a orientação da bancada nesta matéria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.