"Vivo em Alfama há 60 anos, onde nasceu a minha mulher. Só saímos mortos"

São moradores dos bairros históricos de Lisboa, expulsos das casas. Estão em "resistência" com o apoio do presidente da junta

"Tenho 79 anos. Nasci na casa onde sempre vivi, em Alfama. Foi preciso vir uma miúda com vinte e tal anos para me expulsar. Pois eu dali só saio morta!" Chama-se Felicidade Silva mas o seu rosto idoso e cansado não mostra o estado de alma do nome. Recebeu uma saraivada de palmas depois do seu testemunho, a atestar bem a solidariedade que une os moradores nos cinco bairros históricos da junta de freguesia Santa Maria Maior (Alfama, Baixa, Chiado, Castelo e Mouraria), em Lisboa, reunidos ontem em assembleia no Palácio da Independência para a iniciativa "Os Rostos do Despejo".

Despejados, com data marcada para deixarem a casa onde alguns nasceram e criaram os filhos, esses rostos têm nome, são "gente de carne e osso", como disse o presidente da junta, o socialista Miguel Coelho, autor desta campanha contra o esvaziamento do coração histórico da cidade em nome dos interesses imobiliários e turísticos.

O despejo e o desprezo não escolhem idade. Inês Andrade é um dos rostos novos na lista, já bem conhecida dos lisboetas pelo seu papel à frente da associação Renovar a Mouraria. Foi uma das pessoas que se levantou para dar o seu testemunho: "Vivi na Mouraria desde 1999 até ao final do ano passado, altura em que o senhorio decidiu aumentar-me a renda de 500 para mil euros. Procurei casa mas está impossível." Na Renovar Mouraria Inês tem recebido "todos os dias dezenas de pessoas que estão a receber ordens de despejo".

"Estamos no abismo", clamou o presidente da junta para a multidão revoltada contra os "hostéis" uma das expressões que mais se ouviu ali. O abismo tem números a sustentá-lo: existem 1676 unidades de alojamento local (UAL) na freguesia de Santa Maria Maior, ou seja, 47,21% do total de UAL em Lisboa( 6073).

A junta de freguesia colocou três advogados ao serviço (gratuito) dos moradores que estão a ser despejados numa "estratégia de resistência" como a definiu Miguel Coelho. Os advogados "aconselham estas pessoas a ir a tribunal. Ninguém tem de aceitar, só com ordem do juiz", sublinha o autarca.

Eduardo Correia. Tem até 1 de agosto

O caso de Eduardo Correia, 82 anos, que também se levantou para falar na assembleia de freguesia, mereceu aplausos entusiásticos. "Represento a Natália Correia, minha mulher, que nasceu há 82 anos na casa onde vivemos, em Alfama. Eu estou ali há 60 anos. Recebi uma ordem de despejo para abandonar a casa até ao dia 1 de agosto de 2018. Mas não abandono a casa nem a minha mulher. Dali só saímos mortos".

O antigo serralheiro mecânico contou ao DN que a renda da casa no Beco das Cruzes, nnº11, 1ª esquerdo, começou por ser de 150 escudos (75 cêntimos) passou para 700 escudos (3,5 euros ) e depois já na época do euro para 30 e poucos euros e, por último, para 70 euros. Em agosto de 2017, o casal recebeu uma carta a fechar o contrato do arrendamento alegando que a inquilina, Natália não respondeu no prazo de 30 dias a um aviso escrito sobre a atualização da renda para 70 euros em 2013. "Em agosto de 2013 o marido da senhoria avisou que íamos receber essa carta mas disse para ignorarmos. Fomos enganados." A última proposta da senhoria foi estender mais um ano de arrendamento para o casal mas a pagar 450 euros de renda. "Os advogados da junta, que nos estão a ajudar, nem responderam. Vamos esperar."

Felicidade Silva. Tinha até fevereiro

"Fui enganada", desabafa Felicidade Silva, 79 anos, residente com o marido no Pátio do Prior, 11, r/c em Alfama. "Nasci naquela casa". Pagava agora 105 euros de renda. "A senhoria mandou-me uma carta em setembro de 2017 para deixar a casa em fevereiro deste ano." Mas Felicidade e o marido não arredaram pé. "Aquela miúda está a dar cabo de mim, nem aparece para falar connosco e mandou-me a renda para trás", desabafa, referindo-se à jovem senhoria. Aconselhados pelos advogados da junta, Felicidade e o marido têm depositado sempre o valor da renda na conta da senhoria, para a falta de pagamento não ser argumento quando for a altura.

Elisa Vicente. Tem até 30/04/2019

Levantou-se na assembleia para falar mas rapidamente se sentou e calou, tomada pelas lágrimas. Conseguiu mais tarde fazer a sua intervenção. Ao DN, Elisa Vicente, de 76 anos, conta que mora com o marido em Arco Escuro, Alfama, há cinco anos mas viveu mais de 40 anos naquele bairro. "Recebi carta do senhorio em como não me renovava o contrato porque vendeu o prédio a uma firma. Tenho que arranjar casa até 30 de abril de 2019 mas o meu marido está acamado, não fala nem anda. Vamos para onde?". A renda que o casal paga é de 450 euros. O marido tem uma reforma de 800 euros de funcionário dos seguros e Elisa aufere 400 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.