Venezuela: CDS/Madeira quer o Governo a preparar o regresso da diáspora

Acusando o governo regional de "passividade", o centrista Lopes Fonseca teme o pior na Venezuela e quer um "plano de contingência", para receber madeirenses.

O líder do CDS/Madeira exortou esta segunda-feira o Governo Regional a preparar, juntamente com o executivo nacional, um plano de contingência preventivo para a eventualidade do regresso de emigrantes que queiram fugir à situação "explosiva" na Venezuela.

"Exortamos o Governo Regional, conjuntamente com o Governo da República, a estabelecer esse plano de prevenção para precaver um eventual regresso de centenas ou até de milhares de madeirenses que vivem naquele país", disse António Lopes da Fonseca.

O líder centrista participou na tradicional Festa dos Romeiros, no Chão dos Louros, no concelho de São Vicente, no norte da ilha da Madeira, onde contactou com vários membros da diáspora, sublinhando que lhe transmitiram a "apreensão, sobretudo os que vivem na Venezuela, com a situação que se vive naquele país".

"A situação é explosiva e pode desembocar num regresso. Temos de estar preparados para os receber", sustentou Lopes da Fonseca.

Na sua opinião, "o pior que podia acontecer era o governo não estar preparado para eventualidade do regresso de centenas de pessoas que queiram fugir à situação de conflito que facilmente por desembocar na Venezuela" e que poderá resultar mesmo "numa guerra civil".

Lopes da Fonseca considerou que "o Governo Regional tem tido uma certa passividade relativamente a esta matéria".

O responsável também defendeu que o executivo madeirense deve desencadear os esforços necessários para resolver a situação dos lesados do ex-Banif e do ex-BES, porque muitas pessoas, incluindo emigrantes, "continuam a aguardar uma solução para a perda que tiveram do seus investimentos".

"Cabe ao Governo Regional estabelecer contactos com as entidades bancárias, no sentido de se resolver as situações que prejudicam os membros das comunidades que vivem na diáspora e investiram o dinheiro de uma vida nos bancos que faliram", concluiu.

No passado mês de julho, questionado num debate potestativo sobre as comunidades madeirenses, no plenário no parlamento da Madeira, o secretário regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus, Sérgio Marques, considerou que este "plano de contingência não será necessário", perspetivando que "as coisas irão compor-se" na Venezuela.

"Estamos empenhados em garantir que a região esteja preparada para as necessidades e dificuldades com que se venha a confrontar", assegurou o governante, admitindo que a capacidade de resposta do executivo regional "é limitada", mas os executivos português e madeirense "não podem deixar de assumir as suas responsabilidades numa situação de emergência".

Na Venezuela está radicada uma das maiores comunidades de portugueses naturais da ilha da Madeira.

No país - devido à crise económica provocada pela baixa do preço do petróleo -- regista-se uma escassez de vários produtos, desde comida a papel higiénico.

A crise tem suscitado a revolta da população e o aumento da criminalidade violenta e dos roubos a estabelecimentos comerciais.

A crise política tem vindo a aprofundar-se, com a oposição a insistir na realização de um referendo para revogar o mandato do Presidente do país, Nicolás Maduro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.