"Vários governos deram direitos às pessoas que não eram sustentáveis"

Ex-autarca da câmara do porto usou a segurança social como exemplo de direitos que não sustentáveis a longo prazo

O ex-presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, disse hoje que vários governos, por razões eleitorais, deram "direitos às pessoas que, no longo prazo, não eram sustentáveis".

Numa conferência em Coimbra, o economista social-democrata apontou para a Segurança Social como o "maior exemplo" dos direitos que "diversos governos" deram às pessoas que, a longo prazo, não eram sustentáveis.

O país, salientou, "não pode continuar a tomar decisões sem pensar" no seu impacto no futuro, considerando que muitos governantes aplicaram medidas apenas a pensar "na eleição seguinte".

O ex-autarca do PSD -- que esta semana admitiu a possibilidade de se candidatar à liderança do partido em 2018 - falava durante o 16.º Congresso da Associação Nacional de Transportadores de Mercadorias (ANTRAM), que decorre hoje e sábado, no Convento São Francisco, em Coimbra.

Durante o seu discurso, Rui Rio salientou também a necessidade de Portugal combater a dívida, considerando que, para além de se procurar reduzi-la, deve-se "acima de tudo baixá-la em termos relativos" através da criação de mais riqueza.

"O que temos de conseguir é crescimento para olhar para a dívida de uma forma sustentada", notou, considerando que esse mesmo crescimento terá de estar assente numa lógica "de promoção de investimento", nomeadamente estrangeiro.

Para o social-democrata, são as empresas que devem investir, "mas o Estado tem de criar políticas próprias amigas do investimento".

Outro fator importante que se tem de ter em atenção, destacou, é a taxa de poupança dos portugueses.

"Não se pode continuar a desprezar a componente da poupança", salientando que a taxa está hoje nos mesmos níveis de 1960, "cerca de 4,9%", depois de já ter estado nos 20% em 1983.

À margem do congresso, Rui Rio foi questionado pela agência Lusa sobre a possibilidade de se candidatar à liderança do PSD, mas escusou-se a comentar sobre o assunto.

Na sessão de abertura do evento, o secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme W. Oliveira Martins, referiu que o Governo pretende assumir uma "aposta forte" na frente portuária atlântica, considerando que a ligação de Portugal com o resto do mundo "implica uma ponderação cuidada do papel da logística na cadeia de valor".

Nesse sentido, é necessário o "desenvolvimento de sistemas logísticos e de transportes de mercadorias ao longo dos corredores que ligam Portugal a Espanha e ao resto da Europa".

Segundo o membro do executivo socialista, Portugal "precisa de aumentar globalmente a carga movimentada e tornar eficiente a cadeia de deslocações de mercadorias, principalmente nas médias e longas distâncias".

A garantia de "eficiência, qualidade e segurança do serviço de transportes de mercadorias" é um objetivo "estratégico para este Governo", sublinhou.

Nesse sentido, afirmou, é necessário "planear cuidadosamente as redes e cadeias logísticas, promovendo a eficiência do transporte e operações, utilizando as novas tecnologias numa perspetiva de criação de valor, com reflexos positivos na economia e sociedade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?