"Uma princesa não fuma" é misoginia?

A direção-geral da Saúde apresentou, esta quarta-feira, a nova campanha da Luta Contra o Tabagismo. E já nasceu uma polémica

Uma curta-metragem para sensibilizar as mulheres a deixarem de fumar foi lançada esta quarta-feira pela direção-geral da Saúde.

"Opte por Amar Mais" é o título do filme que dura pouco mais de 16 minutos e que tem como protagonista a atriz Paula Neves, que faz o papel de uma mulher com cancro do pulmão em estado terminal, que está preocupada que a filha também venha a ter o vício do tabaco.

A frase mais forte desta curta-metragem dramática e até chocante é quando a mulher doente se dirige à filha e diz: "Promete-me que vais ser sempre a minha princesa. E lembra-te, uma princesa não fuma".

Esta campanha surge quatro anos depois de um estudo ter revelado que o número de mulheres fumadoras tem aumentado, ao contrário do que acontece nos homens. O objetivo do Ministério da Saúde é mesmo "travar o aumento do consumo do tabaco nas mulheres", conforme é referido em comunicado.

Um em cada cinco portugueses fuma e o consumo entre as mulheres continua a crescer. A cada 50 minutos morre um português por doenças associadas ao tabaco.

Refira-se que esta campanha já foi elogiada pela Organização Mundial de Saúde, nomeadamente pela diretora do programa de controlo de tabaco, Kristina Mauer Stander, que considerou o filme "comovente" e que representa uma campanha "impactante e inovadora" no combate ao tabagismo.

A curta-metragem "Opte Por Amar Mais" foi realizada por André Badalo, produzida pela Original Features e será exibida na televisão no último trimestre deste ano.

A deputada socialista Isabel Moreira classificou a nova campanha antitabágica do Ministério da Saúde de "misógina e culpabilizante das mulheres", defendendo que a tutela deve retirar o vídeo.

A diretora-geral da Saúde Graça Freitas responde às críticas a diz que as mulheres jovens são o público-alvo porque "é nesta parte da população que o consumo de tabaco está a aumentar, em vez de diminuir"

Segundo Graça Freitas, a campanha tem um enquadramento epidemiológico que são as mulheres adolescentes, porque são as que estão a fumar mais.

Relativamente ao slogan "opte por amar mais", a diretora-geral da Saúde esclareceu que se refere ao bem-estar, ao amor à vida e não a terceiros.

"Queremos, desejamos que o consumo do tabaco se reduza", adiantou, optando por esperar pela forma como a campanha vai evoluir.

Segundo Graça Freitas, se se verificar que é útil alguma alteração, esta será feita.

Segundo o Ministério da Saúde, o consumo de tabaco é responsável por 10,6% das mortes em Portugal, o que significa que o tabaco mata um português a cada 50 minutos e que as mulheres estão a adoecer e a morrer mais por doenças associadas ao tabaco.

"O relatório das doenças oncológicas, publicado em 2017, destacou o aumento de 15% da mortalidade no sexo feminino, entre 2014 e 2015, por tumores malignos de traqueia, brônquios e pulmão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.