Uma lança na Gália ocupada: mais de 100 casas para irredutíveis lisboetas

Câmara de Lisboa aposta em habitação para moradores carenciados do centro histórico e num programa de rendas acessíveis para a classe média. Com a pressão da lei das rendas e do turismo, é a magia possível da autarquia. Reportagem em casas em obras

"Subam, subam, subam ao 5.º piso que vale a pena" - e valeu mesmo subir as escadas de madeira ainda em construção: as janelas escancaradas do edifício em obras deixavam ver o rio Tejo à frente, a cor de palha turvada pela ameaça de nuvens, o casario de Alfama a descer a colina e o novo terminal de cruzeiros encostado a Santa Apolónia. É esta paisagem, como a que se vê daquele apartamento no Beco do Guedes, junto à Rua de São João da Praça, que encanta tantos e tantos estrangeiros, que se fixam na cidade ou que ocupam os muitos alojamentos para turistas disponíveis no centro histórico de Lisboa. O prédio tem como destinatários moradores de quatro freguesias (Santa Maria Maior, Misericórdia, São Vicente e Santo António) em risco de perda comprovada de habitação e com baixos rendimentos e é um dos 100 fogos reabilitados que o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, foi ontem ver.

Era impossível escolher melhor percurso para a comitiva municipal: ao Largo das Portas do Sol, atravancado de turistas, tuk-tuks, os elétricos 28 e 12, gentes de uma babel de geografias e rostos, e a Rua Norberto de Araújo, que se inicia nas escadas ao lado do miradouro e logo ali, no n.º 18, há frações municipais em reabilitação - para irredutíveis lisboetas que insistem em manter uma lança numa Gália ocupada de Airbnb, alojamentos locais, guests houses, hostels e hotéis. E de casas à venda, como aquele primeiro andar na Rua da Adiça.

São assoalhadas pequenas, "a configuração das casas no centro histórico é esta", explica Paula Marques, a vereadora da Habitação e Desenvolvimento Local. A visita vai ao detalhe: "Toda a gente me pede polibãs", aponta Miguel Coelho, presidente da junta de freguesia de Santa Maria Maior, também deputado. Para uma população envelhecida, a mobilidade é uma preocupação que se tem na hora de recuperar estas habitações, acrescenta a vereadora.

Mais abaixo, descidas as escadas, já no n.º 5, as casas estão quase prontas: falta retirar os andaimes e fazer as limpezas. Medina felicita os trabalhadores da obra. O arquiteto Manuel Abílio, da direção municipal de obras, faz de cicerone da visita que termina no tal prédio do Beco do Guedes e nota que as grandes empresas de construção civil fogem deste tipo de obras. "Todo o saco de cimento é trazido ao ombro, todo o entulho sai ao ombro" - e são cinco andares sem elevador.

Fernando Medina explica aos jornalistas que estes fogos se inserem num programa, com o nome de "Habitar o Centro Histórico", que é "muito importante no momento que a cidade vive". "É uma resposta às pessoas do centro histórico que têm uma necessidade de habitação", mobilizando todo o património municipal, nas quatro freguesias.

São "mais de 100 habitações", explicou o autarca, que estão a ser reabilitadas, para "as pessoas de mais baixos rendimentos, que estão em risco de perder a sua casa por causa da lei do arrendamento, das circunstâncias da economia da cidade ou das suas circunstâncias de vida". E que assim possam continuar a viver "no bairro que muitas vezes é o bairro da sua vida". Por isso, "este património não é para ser vendido nem ser arrendado a preços de mercado", insistiu Medina, apontando para um "investimento total" de dois milhões de euros.

O presidente da Câmara de Lisboa prefere o discurso otimista que olha para o equilíbrio entre as medidas que o Governo anunciou na quinta-feira e os programas municipais de rendas acessíveis. Elogiando essas "alterações à lei do arrendamento, combinadas com alteração da fiscalidade", Fernando Medina defendeu que é esse conjunto que vai permitir ter "mais instrumentos" para melhor responder a um mercado estrangulado.

Às casas para famílias carenciadas, que vivam nas freguesias do centro - e cujo concurso está a decorrer até 5 de maio - junta-se outro programa de arrendamento a preços acessíveis para a classe média, antecipou o presidente da Câmara, apontando para rendas com valores entre 200 a 400 euros. "É um contínuo de entrada de casas a preços acessíveis na cidade de Lisboa. Com toda a franqueza, não prometo, nem posso prometer criar uma expectativa de resolver, por magia, uma oferta de habitação e de uma política que não foi feita." "É o máximo que podemos." Sem preocupações à vista, os turistas iam olhando com curiosidade para o pequeno aparato mediático à volta do autarca. "It"s the mayor", legendou o condutor do tuk-tuk.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.