Um ano agitado no Grande Oriente Lusitano

Fernando Lima já é o grão-mestre mais duradouro desta obediência maçónica desde o pós-25 de Abril

A realização em Lisboa da Aliança Maçónica Europeia (AME) representa o culminar de um ano de grande agitação para a organização anfitriã, o Grande Oriente Lusitano (GOL), a mais antiga obediência maçónica portuguesa.

A organização foi a votos e, pela primeira vez desde que há memória, o processo eleitoral foi renhido ao ponto de terem de se organizar duas voltas. Há ainda outra novidade: o grão-mestre reeleito, o advogado Fernando Lima, iniciou agora um terceiro mandato, algo que não tem acontecido: os líderes do GOL até Lima fizeram apenas, no máximo, cada um, dois mandatos.

Mas na verdade nada nos estatutos da organização estabelece limitação de mandatos. E assim Fernando Lima decidiu recandidatar-se, enfrentando duas candidaturas concorrentes que se revelaram fortes. Uma, a do economista Daniel Madeira de Castro, muito conhecido internamente mas nada no mundo exterior; outra, a do professor universitário e comentador político Adelino Maltez, personalidade de grande projeção mediática mas internamente controverso devido a algumas das suas opções políticas (é monárquico, por exemplo, algo heterodoxo numa organização com fortes ligações à instauração da República).

Seja como for, na primeira volta das eleições para grão-mestre, em junho, Adelino Maltez ficou à frente, com 445 votos, contra 414 para Fernando Lima. Passaram assim os dois à segunda volta, deixando para trás Daniel Madeira de Castro (374 votos). Mas até estes números serem estabelecidos ocorreram recontagens, anulação de votos, decisões das instâncias jurisdicionais internas. Num primeiro momento, a ordem dos dois mais votados foi revelada como sendo a inversa: Lima à frente, Maltez em segundo. Acabou por ser ao contrário.

A segunda volta foi no fim de semana de 24 e 25 de junho. Fernando Lima viu os "irmãos" reconduzirem-no no posto de grão-mestre, que ocupa desde 2011, com 661 votos - apenas mais 122 do que os obtidos por Adelino Maltez (539 votos). Os apoios obtidos na primeira volta por Daniel Madeira de Castro terão sido decisivos para Lima vencer novamente. Fonte do GOL disse que, de um ponto de vista geográfico, Lima teve em Lisboa os seus melhores resultados, enquanto Maltez se mostrou forte nas lojas maçónicas do Centro e do Norte do país (mais longe do poder central da organização, sediada no Bairro Alto, em Lisboa).

Numa mensagem aos "irmãos", José Adelino Maltez reconheceu que "o povo maçónico, posto perante uma escolha para a mudança tranquila, optou pela continuidade". "Contudo, quem aceita as regras do jogo vigentes - das que se cumprem às que se defraudam -, não tem de fazer análises dos resultados nem prognóstico sobre o futuro do governo da Nossa Augusta Ordem. Apenas deve concluir pela deliberação da vontade de todos e reparar que este seu ciclo de emergência maçónica chegou ao termo", acrescentou o politólogo.

No essencial, estava em causa na disputa entre Maltez e Lima um confronto entre uma visão de mais abertura para a Maçonaria (Maltez) e de menos abertura (Lima). Venceu a visão tradicionalista, do grão-mestre reeleito.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.