Tolentino Mendonça nomeado para o Arquivo Secreto do Vaticano

O Vaticano anunciou esta terça-feira a nomeação do padre José Tolentino Mendonça para arquivista e bibliotecário da "Santa Igreja Romana". Fica com o título de arcebispo e tomará posse a 1 de setembro.

Tolentino Mendonça, atualmente vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa, recebeu a título simbólico a antiga sede episcopal de Suava, no norte de África, sendo elevado pelo papa Francisco a arcebispo. Tomará conta do arquivo secreto da Santa Sé a partir de 1 de setembro.

Já colaborava com o Vaticano como consultor do Conselho Pontifício da Cultura e orientou este ano o retiro da Quaresma do Papa, entre 18 e 23 de fevereiro em Ariccia, nos arredores de Roma. Foi reitor do Pontifício do Colégio Português, na capital italiana.

O padre madeirense é poeta, com vários livros de poesia publicados, além de artigos do âmbito teológico, facto destacado na biografia divulgada pela Santa Sé. Colaborou, aliás, no suplemento do DN Jovem, já extinto.

Nasceu em Machico em 1965 e foi ordenado padre aos 25 anos. É doutorado em Teologia Bíblica e investigador.

O responsável português sucede no cargo de arquivista do Arquivo Secreto do Vaticano e bibliotecário da Biblioteca Apostólica ao arcebispo Jean-Louis Bruguès". A agência Ecclesia explica que este arquivo é onde se conservam "os documentos relativos ao governo da Igreja, para antes de tudo estarem à disposição da Santa Sé e da Cúria no desempenho do próprio trabalho, e para que depois, por concessão pontifícia, possam representar para todos os estudiosos de história fontes de conhecimento, mesmo profano, daquelas regiões que há séculos estão intimamente ligadas com a vida da Igreja".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.