Tolentino Mendonça nomeado para o Arquivo Secreto do Vaticano

O Vaticano anunciou esta terça-feira a nomeação do padre José Tolentino Mendonça para arquivista e bibliotecário da "Santa Igreja Romana". Fica com o título de arcebispo e tomará posse a 1 de setembro.

Tolentino Mendonça, atualmente vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa, recebeu a título simbólico a antiga sede episcopal de Suava, no norte de África, sendo elevado pelo papa Francisco a arcebispo. Tomará conta do arquivo secreto da Santa Sé a partir de 1 de setembro.

Já colaborava com o Vaticano como consultor do Conselho Pontifício da Cultura e orientou este ano o retiro da Quaresma do Papa, entre 18 e 23 de fevereiro em Ariccia, nos arredores de Roma. Foi reitor do Pontifício do Colégio Português, na capital italiana.

O padre madeirense é poeta, com vários livros de poesia publicados, além de artigos do âmbito teológico, facto destacado na biografia divulgada pela Santa Sé. Colaborou, aliás, no suplemento do DN Jovem, já extinto.

Nasceu em Machico em 1965 e foi ordenado padre aos 25 anos. É doutorado em Teologia Bíblica e investigador.

O responsável português sucede no cargo de arquivista do Arquivo Secreto do Vaticano e bibliotecário da Biblioteca Apostólica ao arcebispo Jean-Louis Bruguès". A agência Ecclesia explica que este arquivo é onde se conservam "os documentos relativos ao governo da Igreja, para antes de tudo estarem à disposição da Santa Sé e da Cúria no desempenho do próprio trabalho, e para que depois, por concessão pontifícia, possam representar para todos os estudiosos de história fontes de conhecimento, mesmo profano, daquelas regiões que há séculos estão intimamente ligadas com a vida da Igreja".

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."