Tolentino Mendonça nomeado para o Arquivo Secreto do Vaticano

O Vaticano anunciou esta terça-feira a nomeação do padre José Tolentino Mendonça para arquivista e bibliotecário da "Santa Igreja Romana". Fica com o título de arcebispo e tomará posse a 1 de setembro.

Tolentino Mendonça, atualmente vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa, recebeu a título simbólico a antiga sede episcopal de Suava, no norte de África, sendo elevado pelo papa Francisco a arcebispo. Tomará conta do arquivo secreto da Santa Sé a partir de 1 de setembro.

Já colaborava com o Vaticano como consultor do Conselho Pontifício da Cultura e orientou este ano o retiro da Quaresma do Papa, entre 18 e 23 de fevereiro em Ariccia, nos arredores de Roma. Foi reitor do Pontifício do Colégio Português, na capital italiana.

O padre madeirense é poeta, com vários livros de poesia publicados, além de artigos do âmbito teológico, facto destacado na biografia divulgada pela Santa Sé. Colaborou, aliás, no suplemento do DN Jovem, já extinto.

Nasceu em Machico em 1965 e foi ordenado padre aos 25 anos. É doutorado em Teologia Bíblica e investigador.

O responsável português sucede no cargo de arquivista do Arquivo Secreto do Vaticano e bibliotecário da Biblioteca Apostólica ao arcebispo Jean-Louis Bruguès". A agência Ecclesia explica que este arquivo é onde se conservam "os documentos relativos ao governo da Igreja, para antes de tudo estarem à disposição da Santa Sé e da Cúria no desempenho do próprio trabalho, e para que depois, por concessão pontifícia, possam representar para todos os estudiosos de história fontes de conhecimento, mesmo profano, daquelas regiões que há séculos estão intimamente ligadas com a vida da Igreja".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.