Tem os bens penhorados por causa de dívidas de portagens em que não passou

Não tem rendimentos nem pode pagar a um advogado. Finanças remetem para a Via Verde, Via Verde remete para as Finanças.

Um contribuinte diz ter "a vida parada" devido a dívidas que lhe são imputadas por passar em portagens reservadas a Via Verde sem viaturas habilitadas, mas afirma que não é responsável por essas infrações, das quais diz não haver registo. Afirmou ao Jornal de Notícias que não tem acesso a rendimentos, não pode exercer atividade e não pode pagar a um advogado por causa das dívidas que lhe foram atribuídas.

O contribuinte que pediu ao JN para permanecer anónimo é natural das Beiras, e o seu caso já deu origem a 44 processos. O visado só teve acesso a parte desses processos, alguns dos quais, afirma, se referem ao pagamento de portagens no continente quando este se encontrava na Madeira, enquanto residiu no Funchal.

Também existem casos relativos a portagens passadas em viaturas de aluguer, em que a empresa de rent-a-car identificou o contribuinte como responsável, ainda que este diga que nunca foi notificado para proceder ao pagamento.

Aos 40 anos, vive agora com a ajuda dos pais, visto que, devido aos processos em que está implicado, o seu vencimento enquanto trabalhador independente ficou retido, assim como o seu acesso à renda de uma casa que alugava e à conta poupança que usava para pagar o empréstimo da sua casa. Não tem rendimentos para pagar a um advogado, mas foi rejeitado quando solicitou um na Segurança Social, por ter imóveis da família em seu nome.

O contribuinte que contou a sua história ao Jornal de Notícias deverá ser ouvido pelo Ministério Público no dia 18 de junho. Ao JN, fonte das Finanças disse que a responsabilidade de anular os processos do contribuinte pertence à Via Verde. Já a Via Verde remete essa capacidade para a Autoridade Tributária.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.