Taxa de desemprego desce para 7,2% em abril, mínimo desde novembro de 2002

A taxa de desemprego desceu para 7,2% em abril, atingindo o valor mais baixo desde novembro de 2002, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

"A taxa de desemprego de abril de 2018 situou-se em 7,2%, menos 0,3 pontos percentuais do que no mês anterior, menos 0,7 pontos percentuais em relação a três meses antes e menos 2,3 pontos percentuais face ao mesmo mês de 2017", refere o INE.

"Aquele valor representa uma revisão em baixa, de 0,2 pontos percentuais, face à estimativa provisória divulgada há um mês e ter-se-á de recuar até novembro de 2002 para encontrar uma taxa inferior a esta", acrescenta.

A população desempregada de abril foi estimada em 369,4 mil pessoas, tendo diminuído 4,3% em relação ao mês anterior (menos 16,6 mil pessoas), decresceu 9,5% (39 mil) face a janeiro e 24,8% (121,7 mil) relativamente ao mês homólogo de 2017.

"Aquele valor representa uma revisão em baixa de 3,1% (12 mil) face à estimativa provisória divulgada há um mês", refere o INE.

Em abril, a população empregada foi estimada em 4.788,1 mil, tendo aumentado 0,2% (10,4 mil) em relação a março, 0,2% (10,3 mil) face a três meses antes (janeiro) e 2,6% (121,3 mil) a igual mês de 2017.

"Aquele valor foi revisto relativamente ao provisório publicado há um mês em mais 0,5% (21,6 mil)", adianta o INE.

Em maio, a estimativa provisória da população empregada ascendeu a 4.779,5 mil pessoas, representando decréscimos de 0,2% (8,6 mil) face a abril e de 0,1% (2,6 mil) face a três meses antes (fevereiro), "tendo aumentado 2,3% (105,5 mil) face ao mesmo mês de 2017".

A taxa de emprego situou-se em 61,5%, diminuindo 0,1 pontos percentuais em relação ao mês anterior, mantendo-se face a três meses antes e aumentando 1,5 pontos percentuais em relação ao período homólogo de 2017.

A população ativa foi estimada em 5.157,5 mil pessoas em abril, uma redução de 0,1% (6,2 mil) face a março e de 0,6% relativamente a janeiro, mantendo-se praticamente inalterada face a igual mês de 2017.

"Aquele valor foi revisto, relativamente ao provisório publicado há um mês, em mais 0,2% (9,6 mil)", aponta o INE.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.