Tabaco mata 32 pessoas por dia. Impostos não cobrem despesas

Os impostos sobre o consumo têm vindo a subir, mas não chegam para fazer face ao que o Estado Português gasta com as doenças relacionadas com o consumo de cigarros. Há cada vez mais mulheres a fumar

Fumar é a principal causa de morte evitável em Portugal. Provoca nove em cada dez cancros de pulmão e é responsável por uma em cada cinco mortes de pessoas entre os 45 e os 64 anos. Apesar de os dados apontarem para uma diminuição de 5% no consumo desde a alteração da legislação (entrou em vigor a 1 de janeiro deste ano), há cada vez mais raparigas a fumar, o que está a provocar um aumento no número de casos de cancro do pulmão no sexo feminino. E o que o Estado recebe com os impostos sobre o tabaco não chega para cobrir os gastos com o tratamento de doenças relacionadas com o consumo de tabaco.

O relatório "Portugal - Prevenção e controlo do tabagismo em números 2015" revela que, em 2013, o consumo de tabaco matou mais de 32 pessoas por dia. Foram 12 mil num ano. No sexo masculino, o tabaco é responsável, em média, pela perda de 13 anos de vida saudável. E embora morram cinco vezes mais homens do que mulheres, estas são as principais vítimas da exposição ao "fumo ambiental".

De acordo com o presidente da Pulmonale - Associação Portuguesa de Luta contra o Cancro do Pulmão, António Araújo, o consumo diminuiu 5% desde a alteração da legislação, que veio determinar, entre outras medidas, que os maços de tabacos passariam a apresentar "advertências combinadas de saúde", ou seja, texto e fotografias a cores. Apesar dessa quebra, a associação está preocupada com o aumento que se tem vindo a verificar entre o sexo feminino.

"O consumo do tabaco, com a mudança da lei, diminuiu cerca de 5% e verifica-se neste momento que, em termos de juventude, os rapazes fumam menos e as raparigas mais, e isto poderá ter impacte nos próximos anos em termos de incidência de cancro de pulmão", afirmou ao DN o presidente da Pulmonare. Nove em cada dez cancros de pulmão estão relacionados com o consumo de tabaco e a incidência continua a aumentar, muito "à custa do cancro do pulmão na mulher", que começou a fumar mais tarde e, portanto, os cancros começam a aparecer mais tarde.

Embora seja mais facilmente associado ao cancro do pulmão, o tabaco é responsável por muitas outras neoplasias, doenças cardiovasculares e doenças respiratórias crónicas, o que tem custos significativos para o Estado. O último estudo sobre essas despesas foi feito em 2007 e apontava para 1400 milhões de euros, um número que ficará aquém da realidade. "É um estudo que não abrange todas as doenças provocadas pelo tabaco e os gastos nas famílias. É um valor que está sobredimensionado", ressalva Emília Nunes, diretora do Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo da Direção-Geral da Saúde.

Se o valor fosse esse, andaria muito próximo daquilo que o Estado recebe dos fumadores. De acordo com o último relatório sobre o tabagismo, em 2014, o Estado arrecadou 1372 milhões de euros com os impostos sobre o tabaco. Mas, segundo as pessoas ouvidas pelo DN, os custos diretos e indiretos relacionados com o tabaco são bem mais elevados. Reforçando que o valor de referência só tem em conta os principais indicadores, Hilson Cunha Filho, do conselho executivo da Confederação Portuguesa de Prevenção do Tabagismo, diz que "a situação tem vindo a piorar e o peso da doença vai-se acumulando." Segundo o especialista em tratamento da dependência do tabaco, "se não houver uma diminuição significativa no número de fumadores, os custos relacionados com o tabaco têm tendência a ser cada vez maiores".

Apesar de já existirem em Portugal mais ex-fumadores do que fumadores - 1,9 milhões contra 1,78 milhões em 2014 -, Hilson Cunha Filho diz que é preciso ter em conta que "os ex-fumadores permanecem com o risco de doença". A diminuição no consumo não é tão significativa quanto o desejável, explica, porque "as políticas relacionadas com o tabaco foram introduzidas de uma forma lenta". Para a COPPT, "a redução de exceções à proibição de fumar e a inclusão de toda a proteção possível das populações ao fumo de tabaco, nomeadamente no que concerne os grupos mais vulneráveis, como crianças, doentes e idosos, deve ser uma prioridade" do governo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.