Sofia Vala Rocha:"Passos matou PSD em Lisboa, é homicídio qualificado"

É a quinta da lista do PSD à Câmara Municipal de Lisboa, mas não se coíbe de dizer que Teresa Leal Coelho não sabe nem gosta de fazer política. A dois dias das eleições, acusa Passos Coelho de ter matado o partido na capital. E diz que é preciso assacar responsabilidades no domingo.

É a número cinco da lista do PSD à Câmara de Lisboa, mas não se inibe de criticar o modo como está a ser conduzida a campanha.

A minha crítica tem que ver com o facto de achar que nesta campanha houve erros de estratégia, de análise e de escolhas de pessoas em Lisboa. Esta campanha não foi preparada como devia ter sido porque não lhe foi dada a devida importância. Pedro Passos Coelho, depois de não ter mantido o governo em 2015, pensou que ia voltar rapidamente ao poder e, portanto, achou que as autárquicas não eram uma eleição importante e não era importante a eleição em Lisboa.

Refere-se nomeadamente à cabeça--de-lista, a Teresa Leal Coelho?

Não só, mas também. O problema é que Passos Coelho quando achou que ia fazer governo rapidamente viu no CDS um parceiro e não quis tomar as decisões que se impunham e que eram de autonomia estratégica da candidatura do PSD em Lisboa. Eu considero que Pedro Passos Coelho matou o PSD em Lisboa e foi um homicídio qualificado.

Mas se pensa isso, porque aceitou integrar a lista e porque não saiu já?

Faço parte da lista porque passei os últimos quatro anos aqui, na Assembleia Municipal, a trabalhar pelo PSD, para o bem do PSD, mas sobretudo para o bem da cidade e dos lisboetas. E o que o PSD fez foram coisas com muito valor: impôs-se no processo da Segunda Circular, conseguiu impedir que esse concurso fosse para a frente, porque Fernando Medina teve medo das críticas; alertou sempre para a ilegalidade e a inconstitucionalidade da taxa de proteção civil; para os problemas de trânsito; para o papel da EMEL, que é um papel de confisco para pagar a Carris; e avisou que a Carris desta forma gerida pelo município vai endividar-se e não será capaz de prestar um bom serviço aos cidadãos. E esse papel, em que eu tive ocasião de intervir, de defesa de Lisboa e dos cidadãos, dos moradores e das pessoas que cá trabalham, nada disso se veio a refletir no que foi a campanha. Mas quando me fizeram o convite pensei naturalmente que essas seriam as bandeiras do PSD, e não foram.

Mas os problemas começaram só nesta campanha?

Não começaram. Começaram muito atrás, quando em 2015 o PSD passa para a oposição e não aproveitou essa ocasião para preparar as autárquicas. Se a ideia quando Teresa Leal Coelho foi a número dois de Fernando Seara já era que seria a candidata em 2017, então todo o mandato devia ter sido pensado nesse sentido, e não foi. Desse ponto de vista, o PS está a fazer muito melhor. Desde o início, António Costa preparou Fernando Medina para ser número dois e, neste momento, Medina já preparou o seu sucessor se quiser ou se tiver de abandonar a câmara municipal, que é Duarte Cordeiro. O PSD não fez isso. Ou seja, se neste momento houver um problema e houver necessidade de eleições antecipadas na Câmara de Lisboa, eu pergunto: quem é que vai protagonizar uma candidatura pelo PSD? A estratégia não tem sido de dar frutos a longo prazo. Defendo o que Ricardo Rio fez em Braga, era um jovem e foi tentando, tentando, até conseguir ganhar a câmara. Há um problema de falta de estratégia e o responsável é o presidente do partido.

A campanha de Teresa Leal Coelho em Lisboa foi mal sucedida?

O PSD devia ter pensado se podia candidatar uma pessoa que manifestamente não gosta de fazer política, não sabe fazer política, não gosta de debater, não gosta de ir à televisão e não gosta de confrontar adversários.

Se eventualmente a candidata do CDS ficar à frente da do PSD, que consequências internas isso terá?

Grave é o PSD em Lisboa não concorrer para ganhar. Concorrer para um segundo lugar já é muitíssimo mau. Se ficar em terceiro ainda é pior. Não me importava que o PSD fosse terceiro nestas eleições se tivesse sido escolhida uma equipa exatamente como o exemplo que já dei do Ricardo Rio em Braga, de jovens ou de pessoas que fossem o futuro, que não ganhasse agora mas que ganhasse daqui a quatro anos, mesmo com 10% ou 15% nestas eleições.

E o presidente do partido deve ser responsabilizado na noite das eleições se o resultado for muito mau em Lisboa?

A responsabilização em relação a Lisboa tem de ser feita porque já em 2013 o partido devia ter feito essa análise, já que os resultados foram metade em Lisboa do que tinham sido em 2009. E não fez porque teve em conta o superior interesse nacional e tínhamos a troika e éramos governo. Mas neste ano toda a gente achou que não haveria nada que impedisse o PSD de ter uma solução ganhadora. Se o PSD tiver um mau resultado, não é um problema de se responsabilizar Pedro Passos Coelho, é a ele e a estratégia para evitar que no futuro ela volte a repetir-se. Em relação ao líder do PSD também há uma questão que tem de ser dita: em Lisboa, o presidente da distrital, Pedro Pinto, e a candidata Teresa Leal Coelho, que foram escolhas para a distrital e para a Câmara Municipal de Lisboa, são amigos e companheiros de sempre, são as pessoas com as quais ele começou o percurso no PSD e na liderança. Depois de sete, quase oito anos, está exatamente na mesma como quando começou e os resultados do PSD em Lisboa a piorar de dia para dia. Há dias, Passos disse que em Lisboa o PSD não estava a lutar pela sobrevivência, o problema é que está. E as responsabilidades vão ter de ser assacadas.

O facto de Passos já ter anunciado a recandidatura à liderança é para estancar essa análise?

É, certamente. Estamos em campanha e Passos declara aberto o processo de sucessão interno dentro do PSD, em segundo lugar diz que é candidato e em terceiro anuncia um Conselho Nacional no dia 3 de outubro para discutir isto. Depois de dizer que está aberto o processo eleitoral e que ele é candidato, já ninguém se vai preocupar muito em discutir aquilo que se passou.

E as notícias de que Rui Rio estaria a preparar uma candidatura à liderança do partido, acredita que irá acontecer?

Não sei vai ou não, mas não estou muito interessada no discurso da luta pela liderança se ela servir pura e simplesmente como fuga para a frente.

Ler mais

Exclusivos