João Soares confessa "grande tristeza", mas vinca ética republicana

"Tem de se respeitar a posição de José Sócrates", considera João Soares. "Não foi tratado com a dignidade devida enquanto arguido e, agora, enquanto acusado", lamenta

O deputado socialista João Soares declarou hoje, no parlamento, sentir uma "grande tristeza" devido à desfiliação do PS do antigo primeiro-ministro José Sócrates, mas vincou a importância dos "princípios da ética republicana".

"É um momento triste na história do PS porque ver partir, por abandono, um anterior secretário-geral é qualquer coisa que a mim, pessoalmente, me dá uma grande tristeza. Agora, há também questões de natureza, que têm que ver com os princípios da ética republicana, que têm de ser consideradas nesta matéria", afirmou o ex-ministro da Cultura do atual Governo.

Tem de se respeitar a posição de José Sócrates que, aliás, insisto, não foi tratado com a dignidade devida enquanto arguido e, agora, enquanto acusado

O filho do histórico socialista e antigo Presidente da República Mário Soares citou declarações de outro fundador do PS, António Arnaut, que afirmou que Sócrates tomou agora uma atitude "que já devia ter tomado, em face da gravidade das acusações e das críticas severas que lhe são feitas".

"Tem de se respeitar a posição de José Sócrates que, aliás, insisto, não foi tratado com a dignidade devida enquanto arguido e, agora, enquanto acusado", afirmou ainda João Soares, recordando que nunca foi apoiante do antigo líder socialista e, por isso, está "particularmente à vontade".

Num artigo publicado hoje no Jornal de Notícias, José Sócrates disse que a sua saída do PS visa acabar com um "embaraço mútuo", após críticas da direção que, na sua opinião, ultrapassam os limites do aceitável.

"Que eu saiba, não há nenhuma posição sobre esta matéria da direção atual do PS nem houve nunca porque o PS, desde que o atual secretário-geral foi eleito, separou e bem, sempre, as questões de natureza judicial e jurídica das questões de natureza política", declarou ainda o antigo presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

José Sócrates, 60 anos, é o principal arguido na Operação Marquês, em que está acusado de vários crimes económico-financeiros, incluindo corrupção e branqueamento de capitais.

No âmbito da investigação, esteve preso preventivamente durante 288 dias, entre novembro de 2014 e setembro de 2015.

Sócrates aderiu ao PS em 1981, e foi secretário-geral do partido entre 25 de setembro de 2004 e 06 de junho de 2011.

Em 2005, obteve a primeira maioria absoluta do PS em eleições legislativas e foi primeiro-ministro até 2011, depois de o seu Governo ter pedido ajuda financeira ao Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia e Banco Central Europeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.