Só 14% dos portugueses diz ser "extremamente provável" votar

Ato eleitoral decorre entre os dias 23 e 26 de maio de 2019

Apenas 14% dos portugueses considera ser extremamente provável ir às urnas nas próximas eleições europeias, a segunda percentagem mais baixa na União Europeia (UE), revela o Eurobarómetro publicado hoje pelo Parlamento Europeu (PE).

No estudo de opinião realizado no mês de abril, apenas 14% dos entrevistados disse ser extremamente provável ir às urnas nas próximas eleições europeias, que decorrerão entre 23 e 26 de maio de 2019, com 20% a responder muito provável, 16% moderadamente provável e 49% pouco provável.

Entre os Estados-Membros, Portugal é o país com a segunda percentagem mais baixa de votantes "extremamente prováveis", atrás apenas da República Checa (13%) e bem distante da média europeia de 31%.

Nas eleições europeias de 2014, em Portugal a taxa de participação foi de 33,67%, abaixo da média europeia de 42,54%

Nesta consulta, que assinala a contagem decrescente de 365 dias até às próximas eleições europeias, 47% dos entrevistados portugueses assumiu estar interessado no processo eleitoral europeu, enquanto 52% revelou não ter interesse nestas eleições.

Apesar da reduzida percentagem de portugueses que planeia ir às urnas, 41% dos inquiridos considera ser "muito importante" votar nas próximas eleições europeias (a média da UE é de 49%), 36% considera ser de importância média e 22% de pouca importância.

Entre as razões para votarem nas eleições para o PE, os portugueses apontam em primeiro lugar o seu dever de cidadãos (52%), seguindo-se a vontade de participar na escolha do próximo presidente da Comissão Europeia (37%) e o apoio ao governo nacional (33%). A principal razão para não votarem é a desconfiança no sistema político (59%).

Embora desconfiem do sistema político, os portugueses estão entre os cidadãos dos sete Estados-Membros da União Europeia (UE) que têm uma imagem positiva da assembleia europeia. Portugal ocupa o quarto posto neste 'ranking', com 45%, depois de Irlanda, Bulgária e Malta

Em Portugal 40% dos questionados têm uma opinião neutra sobre a instituição e 12% uma visão negativa. Uma larga maioria (64%) gostaria que a assembleia europeia desempenhasse um papel mais importante.

O Eurobarómetro foi realizado entre 11 e 22 de abril de 2018 através de entrevistas presenciais com 27.601 cidadãos dos 28 Estados-Membros da UE, dos quais 1.093 são portugueses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.