Só 14% dos portugueses diz ser "extremamente provável" votar

Ato eleitoral decorre entre os dias 23 e 26 de maio de 2019

Apenas 14% dos portugueses considera ser extremamente provável ir às urnas nas próximas eleições europeias, a segunda percentagem mais baixa na União Europeia (UE), revela o Eurobarómetro publicado hoje pelo Parlamento Europeu (PE).

No estudo de opinião realizado no mês de abril, apenas 14% dos entrevistados disse ser extremamente provável ir às urnas nas próximas eleições europeias, que decorrerão entre 23 e 26 de maio de 2019, com 20% a responder muito provável, 16% moderadamente provável e 49% pouco provável.

Entre os Estados-Membros, Portugal é o país com a segunda percentagem mais baixa de votantes "extremamente prováveis", atrás apenas da República Checa (13%) e bem distante da média europeia de 31%.

Nas eleições europeias de 2014, em Portugal a taxa de participação foi de 33,67%, abaixo da média europeia de 42,54%

Nesta consulta, que assinala a contagem decrescente de 365 dias até às próximas eleições europeias, 47% dos entrevistados portugueses assumiu estar interessado no processo eleitoral europeu, enquanto 52% revelou não ter interesse nestas eleições.

Apesar da reduzida percentagem de portugueses que planeia ir às urnas, 41% dos inquiridos considera ser "muito importante" votar nas próximas eleições europeias (a média da UE é de 49%), 36% considera ser de importância média e 22% de pouca importância.

Entre as razões para votarem nas eleições para o PE, os portugueses apontam em primeiro lugar o seu dever de cidadãos (52%), seguindo-se a vontade de participar na escolha do próximo presidente da Comissão Europeia (37%) e o apoio ao governo nacional (33%). A principal razão para não votarem é a desconfiança no sistema político (59%).

Embora desconfiem do sistema político, os portugueses estão entre os cidadãos dos sete Estados-Membros da União Europeia (UE) que têm uma imagem positiva da assembleia europeia. Portugal ocupa o quarto posto neste 'ranking', com 45%, depois de Irlanda, Bulgária e Malta

Em Portugal 40% dos questionados têm uma opinião neutra sobre a instituição e 12% uma visão negativa. Uma larga maioria (64%) gostaria que a assembleia europeia desempenhasse um papel mais importante.

O Eurobarómetro foi realizado entre 11 e 22 de abril de 2018 através de entrevistas presenciais com 27.601 cidadãos dos 28 Estados-Membros da UE, dos quais 1.093 são portugueses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.