Só 14% dos portugueses diz ser "extremamente provável" votar

Ato eleitoral decorre entre os dias 23 e 26 de maio de 2019

Apenas 14% dos portugueses considera ser extremamente provável ir às urnas nas próximas eleições europeias, a segunda percentagem mais baixa na União Europeia (UE), revela o Eurobarómetro publicado hoje pelo Parlamento Europeu (PE).

No estudo de opinião realizado no mês de abril, apenas 14% dos entrevistados disse ser extremamente provável ir às urnas nas próximas eleições europeias, que decorrerão entre 23 e 26 de maio de 2019, com 20% a responder muito provável, 16% moderadamente provável e 49% pouco provável.

Entre os Estados-Membros, Portugal é o país com a segunda percentagem mais baixa de votantes "extremamente prováveis", atrás apenas da República Checa (13%) e bem distante da média europeia de 31%.

Nas eleições europeias de 2014, em Portugal a taxa de participação foi de 33,67%, abaixo da média europeia de 42,54%

Nesta consulta, que assinala a contagem decrescente de 365 dias até às próximas eleições europeias, 47% dos entrevistados portugueses assumiu estar interessado no processo eleitoral europeu, enquanto 52% revelou não ter interesse nestas eleições.

Apesar da reduzida percentagem de portugueses que planeia ir às urnas, 41% dos inquiridos considera ser "muito importante" votar nas próximas eleições europeias (a média da UE é de 49%), 36% considera ser de importância média e 22% de pouca importância.

Entre as razões para votarem nas eleições para o PE, os portugueses apontam em primeiro lugar o seu dever de cidadãos (52%), seguindo-se a vontade de participar na escolha do próximo presidente da Comissão Europeia (37%) e o apoio ao governo nacional (33%). A principal razão para não votarem é a desconfiança no sistema político (59%).

Embora desconfiem do sistema político, os portugueses estão entre os cidadãos dos sete Estados-Membros da União Europeia (UE) que têm uma imagem positiva da assembleia europeia. Portugal ocupa o quarto posto neste 'ranking', com 45%, depois de Irlanda, Bulgária e Malta

Em Portugal 40% dos questionados têm uma opinião neutra sobre a instituição e 12% uma visão negativa. Uma larga maioria (64%) gostaria que a assembleia europeia desempenhasse um papel mais importante.

O Eurobarómetro foi realizado entre 11 e 22 de abril de 2018 através de entrevistas presenciais com 27.601 cidadãos dos 28 Estados-Membros da UE, dos quais 1.093 são portugueses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.