Situação de Barreiras Duarte "tornou-se insustentável" e "está a prejudicar" Rui Rio

O presidente social-democrata não quer que o problema com secretário-geral do partido passe deste fim de semana. Nas próximas horas, Feliciano Barreiras Duarte será forçado a pedir demissão depois de o cerco se ter apertado

A situação do secretário-geral social-democrata, Feliciano Barreiras Duarte, "tornou-se insustentável porque já está a prejudicar o líder do PSD", admitiu ontem ao DN fonte próxima de Rui Rio.

De acordo com a mesma fonte, uma vez que Barreiras Duarte não tomou a iniciativa de se demitir, dentro de horas, Rui Rio falará com o seu secretário-geral para o forçar a sair do cargo, para o qual foi eleito na lista do presidente do PSD no último congresso. Não passa deste fim de semana, sinalizou a referida fonte.

Feliciano Barreiras Duarte tem sido cada vez mais um ativo tóxico para a liderança social-democrata, depois de ontem o cerco ter-se apertado. À polémica do currículo falso somou-se a notícia de que o também deputado terá recebido indevidamente ajudas de custo e despesas de deslocação do Parlamento por ter dado uma morada no Bombarral quando vivia em Lisboa.

Segundo o Observador, entre 1999 e 2009, Barreiras Duarte recebeu ajudas como se vivesse no Bombarral, informação que o próprio confirmou por se tratar, disse, da sua morada fiscal à época. "Sendo a morada fiscal a única relevante para qualquer efeito administrativo e fiscal, incluindo o direito de voto, entendi que naturalmente era essa a morada que devia colocar no registo da Assembleia da República", explicou-se o secretário-geral do PSD.

Como notou a fonte próxima do presidente do partido, a forma como Barreiras Duarte falou inicialmente do seu currículo - de que era professor convidado (visiting scholar) na Universidade de Berkeley, nos Estados Unidos - parecia não ter a gravidade que se revelou depois (desmentido por todos os envolvidos) e Rui Rio desconhecia também estes últimos factos relativos ao alegado subsídio indevido.

Já o antigo secretário de Estado do Ambiente José Eduardo Martins notava ontem na sua página do Facebook que conhece "o Feliciano desde os primeiros tempos na JSD", disparando logo: "Não houve, portanto, pelo menos para esses como eu, qualquer surpresa nesta pequena história tão camiliana... Nem surpreende que ninguém, nem uma alminha, se empenhe a defendê-lo... a vida dá sempre colheita das sementes que plantamos."

O ex-deputado municipal de Lisboa - que partilhou a notícia de ontem do DN dando conta que Rio esperava a demissão do seu secretário-geral - antecipou no entanto o braço-de-ferro de Barreiras Duarte para deixar o cargo. "Já quem mandou contar aos jornais todos que está à espera que ele se demita, talvez tenha a surpresa que no resto não houve."

Prova do incómodo com este caso será o facto de Rui Rio já não se fazer acompanhar de Barreiras Duarte na viagem que fará a Bruxelas, a meio da semana. Segundo o Observador, o líder do PSD tinha informado, num primeiro momento, que seria o secretário-geral a acompanhá-lo à cimeira do PPE, mas depois este foi substituído na comitiva por outro membro da comissão política.

Na Assembleia da República, Barreiras Duarte só marcou presença no debate quinzenal, na quinta-feira. Segundo os registos do Parlamento, faltou na quarta e na sexta. E se, no primeiro debate quinzenal de Fernando Negrão como líder parlamentar do PSD, se sentou ao lado deste, na última quinta-feira Barreiras Duarte ficou de fora da fotografia.

Ao lado de Negrão estavam os vice-presidentes da bancada Adão Silva e Rubina Berardo, enquanto Barreiras Duarte entrou já António Costa discursava e foi sentar-se na última fila da bancada, por trás do grupo parlamentar do CDS, numa fila onde estavam sentados o ex-líder parlamentar do PSD Luís Montenegro e Carlos Abreu Amorim.

Partidos fortes, pede Marcelo

Também ontem, instado pelos jornalistas a comentar o caso, o Presidente da República recusou pronunciar-se sobre a vida partidária e se a nova direção do partido presidida por Rui Rio está fragilizada, mas sempre foi dizendo que, a cerca de um ano das eleições, "é muito importante que haja partidos fortes".

"Aquilo que eu disse sempre e que volto a dizer é que é muito importante que haja partidos fortes e é muito importante agora que estamos praticamente a um ano e um mês das primeiras eleições que quer os partidos da área do Governo quer os da oposição estejam fortes", apontou Marcelo Rebelo de Sousa, citado pela Lusa.

Já a coordenadora do BE afirmou que o PSD "tem explicações a dar" sobre o apoio indevido do Parlamento a Feliciano. "Não tenho nada a comentar, julgo que o PSD é que tem explicações a dar", atirou, notando que "toda a gente sabe no país como o BE se bate por essa transparência, pelo escrutínio".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.