Nova ala pediátrica do S. João avança em duas semanas

Ministro da Saúde garantiu desbloquear os procedimentos para a construção nos próximos 15 dias

Os procedimentos para avançar com a construção da nova ala pediátrica do hospital de São João, no Porto, serão desbloqueados dentro de duas semanas, estimou esta segunda-feira o ministro da Saúde, lembrando que o dinheiro "está disponível".

Em declarações aos jornalistas sobre as condições em que as crianças e famílias são atendidas naquele hospital, Adalberto Campos Fernandes assumiu que, do ponto de vista político, "não há mais tempo nem mais espaço para conversa que não seja autorizar a obra [da nova ala pediátrica], lançar o procedimento e executá-lo no mais curto espaço de tempo possível".

"O dinheiro está disponível, mas há questões de tramitação processual, que penso que em uma semana ou duas semanas estarão em condições para que os procedimentos formais possam ser lançados", afirmou o ministro, que falava no final de uma cerimónia para anunciar investimentos no Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Campos Fernandes salientou que a questão da ala pediátrica do São João se arrasta há dez anos, vincando ainda que a situação é "social e eticamente inaceitável".

"Não há ninguém que sinta mais incómodo e mais sentido de injustiça do que o ministro da Saúde e o Governo pela situação que há dez anos se arrasta na ala pediátrica e que tem contornos que importará esclarecer, mas importa muito mais resolver", declarou.

Para o ministro "importa rapidamente resolver" o problema que é "social e eticamente inaceitável".

"O que importa é criar condições para que, até que a obra esteja concretizada, nesse tempo seja tudo feito [para melhorar as condições], seja tudo minorado", afirmou o ministro, acrescentando que, se existe um pavilhão, "que esse pavilhão esteja bem conservado" e, se houver possibilidade de acomodar as crianças noutro local, "que sejam acomodadas".

Contudo, lembrou que estas são "matérias de natureza operacional".

O ministro anunciou também que pediu à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) para intervir na questão da ala pediátrica do São João e esclarecer se a situação das crianças ali seguidas podia ter sido evitada.

"Pedi à IGAS que procurasse aferir se houve algo que pudesse ter sido feito que não tenha sido feito", afirmou, acrescentando que o país foi confrontado "com afirmações dos pais e do presidente do hospital de São João que importa esclarecer" em nome do interesse público.

Para o ministro importa esclarecer, por exemplo, se as crianças seguidas naquela ala pediátrica, nomeadamente as doentes oncológicas, podiam ser tratadas noutra instituição no Porto.

Campos Fernandes garantiu ainda que o Hospital de São João "disporá de todo o apoio para melhorar as condições, ainda que provisórias, de atendimento daquelas crianças".

A falta de condições de atendimento e tratamento de crianças com doenças oncológicas foi denunciada na semana passada por pais de crianças doentes que são atendidas em ambulatório e também na unidade do 'Joãozinho', para onde são encaminhadas quando têm de ser internadas no Centro Hospitalar de São João, concelho do Porto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.