"Sinto-me vexado pela gravidade do que aconteceu"

Marcelo Rebelo de Sousa não quis dizer se vai à final da Taça

O Presidente da República disse que se sentiu envergonhado depois do incidente desta terça-feira na Academia do Sporting, em Alcochete. À margem de uma homenagem a Mariano Gago, em Leiria, Marcelo Rebelo de Sousa disse ainda que não se pode continuar a fazer de conta que o que se passa no futebol não é grave.

"Senti-me vexado pela imagem projetada por Portugal no mundo", disse o Chefe de Estado.

"Portugal é uma potência no Desporto, nomeadamente no futebol. Sinto-me vexado pela gravidade do que aconteceu. As reações que tive de fora foram nesse sentido".

Marcelo Rebelo de Sousa considera que o que aconteceu foi uma situação grave, que "não podemos normalizar ou banalizar sob pena de permitirmos escaladas más para o desporto e para a sociedade portuguesa".

"Não pode haver dois 'Portugais' - um Portugal que é estado de Direito Democrático e o outro que vive à margem deste Estado de Direito", disse ainda o Presidente da República, que evitou responder à pergunta se estaria na final da Taça, que se disputa este domingo.

O Governo também já repudiou os incidentes na Academia do Sporting, em Alcochete, que considerou atos de vandalismo e criminosos.

Numa declaração conjunta da secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, e o secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, o Governo confirmou a detenção de 21 presumivelmente envolvidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.