Sindicato denuncia agressões a enfermeiros no hospital de Gaia

"A violência nos hospitais é mais comum do que se pensa, o problema é que os enfermeiros não se defendem, as queixas não são apresentadas e as coisas continuam a acontecer", disse a vice-presidente do sindicato

Dois enfermeiros foram agredidos e outros dois foram alvo de ameaças de agressão, em janeiro, no Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho denunciou esta quinta-feira o Sindicato dos Enfermeiros.

A vice-presidente do sindicato, Mariana Tomás disse à agência Lusa que os enfermeiros envolvidos "trabalham na zona de triagem de doentes" e que os incidentes ocorreram por os "agressores terem discordado da cor atribuída" no processo.

Das agressões resultaram "braços e costelas partidas e traumatismo craniano" enquanto os outros dois "estão a receber apoio psicológico", relatou a dirigente sindical.

"A violência nos hospitais é mais comum do que se pensa, o problema é que os enfermeiros não se defendem, as queixas não são apresentadas e as coisas continuam a acontecer", acrescentou.

O hospital prefere remeter-se ao silêncio, assegurando Mariana Tomás que os quatro enfermeiros envolvidos nos incidentes "foram e continuam a ser assistidos no hospital no âmbito da medicina no trabalho".

Até mesmo dentro dos internamentos "há agressões", denunciou ao mesmo tempo que reclama "mais segurança" para os hospitais.

"A falta de segurança é mais frequente do que se supõe, porque nem sempre a polícia tem os agentes suficientes para assegurar, mas as agressões acontecem mesmo com a autoridade presente", lamentou.

A Lusa tentou ouvir a Administração Regional de Saúde do Norte sobre as agressões, mas tal não foi possível até ao momento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.