Saída de enfermeiros obriga Sta. Maria a fechar camas e setor de cirurgia

Apenas foram contratados 49 enfermeiros. A unidade de nefrologia pediátrica foi transferida para um piso com menos camas

Um setor de cirurgia encerrado, unidade da pediatria transferida para outro local com menos camas, serviços como o de otorrino e urgências assegurados por internos e consultas e tratamentos em risco por falta de profissionais. Este é o retrato de alguns dos principais problemas que afetam o Hospital de Santa Maria. As causas, grosso modo, vão sempre dar ao mesmo problema: recursos humanos, ou a falta deles.

Se há menos de duas semanas o diretor de serviço de oncologia do hospital se queixou da falta de médicos na unidade, dados consultados pelo DN mostram também que o número de enfermeiros está muito abaixo do necessário: só desde o início do ano, mais de cem enfermeiros abandonaram o Centro Hospitalar Lisboa Norte (CHLN) e nem metade desse número foi contratado para compensar as saídas.

Os padrões internacionais de qualidade nos serviços de saúde apontam para um rácio de três enfermeiros por cada médico - e a média europeia até está acima dessa bitola, com um médico para cinco enfermeiros -, mas o Santa Maria apresenta linhas que praticamente se sobrepõem nesta área: tem 1521 médicos, já contando com 127 internos, e 1849 enfermeiros, o que resulta num rácio de apenas 1,2 profissionais de enfermagem para cada médico. Mas na prática, por vezes, até é inferior. "Por exemplo, na consulta de ginecologia há duas enfermeiras para quatro médicos, se alguma falta ou fica doente, o trabalho fica posto em causa", conta um médico do Santa Maria, que relata "uma diminuição geral do número de enfermeiros".

E os números no maior hospital nacional parecem confirmar esta tese. Desde o primeiro dia do ano de 2018, saíram deste centro hospitalar 103 enfermeiros, dos quais 64 para centros de saúde - ao abrigo de um concurso aberto pela Administração Central do Sistema de Saúde -, e 39 por rescisão de contrato para irem para o privado ou para outras unidades de saúde. Em sentido inverso, foram admitidos no mesmo período de tempo 49 enfermeiros, menos de metade dos que abandonaram. As consequências fazem-se sentir nas escalas, relatam profissionais ao DN, com o aumento de horas a trabalhar sem consentimento dos enfermeiros, falsas horas extraordinárias e o aumento de baixas médicas. E também, naquilo que toca mais diretamente os utentes, no funcionamento dos serviços.

Pediatria perdeu 15 enfermeiros

Um setor da cirurgia, denominado 1B, teve mesmo de ser encerrado - "temporariamente", garante fonte hospitalar - para permitir dar resposta aos cuidados de enfermagem da área cirúrgica em geral. Ao que o DN apurou, trata-se do fecho de 22 camas, que tinham uma ocupação média de 76%. E o próprio hospital admite também que teve de reestruturar a unidade de nefrologia pediátrica, que precisava de 11 enfermeiros para assegurar todos os turnos e mudou do 7.º piso para o 9.º, onde ficou junto à zona de gastro e de infeto e perdeu camas - passou de seis para quatro. Mas "tem dado resposta às necessidades nesta área e permitiu em simultâneo distribuir os enfermeiros por outros pisos da pediatria, de onde saíram na globalidade 15 enfermeiros", sublinha o hospital em resposta ao DN, falando em mera gestão de recursos humanos e assegurando que a situação será restabelecida quando for autorizada a contratação de igual número de enfermeiros saídos.

"Não se consegue cumprir o rácio médico/enfermeiro porque o número destes últimos no CHLN é muito abaixo do necessário para dar resposta às necessidades em horas de cuidados de enfermagem na nossa instituição", reconhece fonte do Santa Maria, que acrescenta que a aposta tem necessariamente de passar pela contratação de enfermeiros, porque há um défice destes profissionais e não excesso de médicos. Afirmações subscritas pela bastonária da Ordem dos Enfermeiros, que defende que "não há falta de médicos em Portugal, estão é mal distribuídos". "Em relação aos enfermeiros há um problema de falta de recursos humanos e os quadros estão fechados, não são autorizadas contratações", diz Ana Rita Cavaco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.