Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa "dois portugueses de exceção"

Assinala-se hoje o 36.º aniversário da sua morte na sequência da queda do avião Cessna em que seguiam

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, evocou hoje Francisco Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa, como "dois portugueses de exceção", que "lutaram pelo seu País, com sacrifício da própria vida".

No dia em que se assinala o 36.º aniversário da sua morte na sequência da queda do avião Cessna em que seguiam para o Porto, Marcelo Rebelo de Sousa apresentou as "mais sentidas condolências" às suas famílias, numa mensagem publicada na página da Presidência da República.

"No trigésimo sexto aniversário da tragédia ocorrida em Camarate, em que faleceram o primeiro-ministro, Francisco Sá Carneiro, o ministro da Defesa Nacional, Adelino Amaro da Costa, bem como as suas mulheres, Snu Abecassis e Maria Manuel Simões Vaz da Silva Pires, além do Dr. António Patrício Gouveia e dos dois pilotos da aeronave, apresento às famílias enlutadas as minhas mais sentidas condolências", afirma na mensagem.

Marcelo Rebelo de Sousa diz que o faz "na convicção de que a verdade não prescreve e de que a passagem do tempo não apaga a memória luminosa dos que perderam a vida em 4 dezembro de 1980".

"Em nome de Portugal, evoco, neste dia, Francisco Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa, dois portugueses de exceção, cidadãos e homens públicos que lutaram pelo seu País, com sacrifício da própria vida", sublinha.

Na mensagem, o Presidente da República diz ainda que Portugal nunca esquecerá o seu exemplo, "um exemplo de dedicação a Portugal e aos valores da liberdade, da democracia e da justiça social".

A queda do avião onde viajavam Sá Carneiro e Amaro da Costa já motivou a realização de dez comissões parlamentares de inquérito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.