Rui Moreira alcança a desejada maioria absoluta

Apesar do triunfo categórico, o independente reeleito aproveitou para disparar na direção do PSD, em especial de Rui Rio e Paulo Rangel, os "grandes derrotados" das eleições

Foi uma vitória categórica de Rui Moreira no concelho do Porto, com a desejada maioria absoluta a ser obtida. Nada disto levou o atual presidente da câmara a um discurso de triunfo só pela positiva. É certo que elogiou a sua equipa, os seus apoiantes e os eleitores. Mas foi na direção do PSD que direcionou fogo: acusou Rui Rio, Paulo Rangel e António Tavares de "serem os grandes derrotados" e terem usado o Porto como laboratório para as eleições internas do PSD. Nem o facto de ter conquistado a maioria absoluta, de ter vencido cinco das sete juntas de freguesia, o levou a afrouxar o discurso crítico dos oponentes: o PS também foi visado por "tentar nacionalizar" as eleições no Porto com a presença maciça de ministros na campanha.

Em relação a resultados, o movimento de Rui Moreira, o Porto É o Nosso Partido, obteve uma vitória muito importante, aumentando o número de votos em relação a 2013 e recebendo a confiança dos portuenses para continuar a governar a cidade: "Temos uma equipa fantástica que irá governar o Porto sem deixar de ouvir todos os portuenses", disse Moreira, que acabou o seu discurso com uma citação de Francisco Sá Carneiro.

Manuel Pizarro conseguiu melhorar o resultado obtido em 2013, mas foi insuficiente. As circunstâncias em que foi forçado a avançar para a disputa eleitoral não foram esquecidas. Na intervenção sobre os resultados, o socialista frisou que travou a batalha "em condições terríveis", em alusão à quebra do acordo com Rui Moreira, em maio. Mesmo assim, salientou a subida de votos e a manutenção da Junta de Freguesia de Campanhã, a única nas mãos dos socialistas. Pizarro fez ainda questão de "notar que do lado do vencedor continua a mesma acrimónia e crispação que marcou o percurso eleitoral", tendo em mente "os ataques mais violentos" que Rui Moreira fez ao governo.

Da parte da coligação Porto Autêntico, a derrota era esperada. Os números é que podem ser ainda mais pesados. O PSD, aqui aliado ao PPM, teve o pior resultado de sempre na cidade, com Álvaro Almeida a ser o único elemento da lista eleito vereador. Na hora da derrota, o professor de Economia teve um discurso digno, garantindo que irá assumir o seu lugar como vereador, e justificando o mau resultado com o voto útil: "Houve um desvio de votos do eleitorado tradicional do PSD para a candidatura de Rui Moreira, em parte motivada pela preocupação do voto útil, para que o PS não ganhasse as eleições, e o PSD foi penalizado." Para atenuar a situação, o PSD conseguiu manter a presidência da Junta de Freguesia de Paranhos, a única que tinha no Porto.

Para a CDU, a noite foi de angústia para saber se chegava à eleição de um vereador o que veio a confirmar-se apesar do partido ter perdido muitos votos.

O BE voltou a falhar no Porto. Teve um grande aumento de votos, mais do que duplicou em relação a 2013, em que teve resultado desastroso, mas não foi suficiente para eleger João Teixeira Lopes para a vereação da câmara.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.