Rui Moreira alcança a desejada maioria absoluta

Apesar do triunfo categórico, o independente reeleito aproveitou para disparar na direção do PSD, em especial de Rui Rio e Paulo Rangel, os "grandes derrotados" das eleições

Foi uma vitória categórica de Rui Moreira no concelho do Porto, com a desejada maioria absoluta a ser obtida. Nada disto levou o atual presidente da câmara a um discurso de triunfo só pela positiva. É certo que elogiou a sua equipa, os seus apoiantes e os eleitores. Mas foi na direção do PSD que direcionou fogo: acusou Rui Rio, Paulo Rangel e António Tavares de "serem os grandes derrotados" e terem usado o Porto como laboratório para as eleições internas do PSD. Nem o facto de ter conquistado a maioria absoluta, de ter vencido cinco das sete juntas de freguesia, o levou a afrouxar o discurso crítico dos oponentes: o PS também foi visado por "tentar nacionalizar" as eleições no Porto com a presença maciça de ministros na campanha.

Em relação a resultados, o movimento de Rui Moreira, o Porto É o Nosso Partido, obteve uma vitória muito importante, aumentando o número de votos em relação a 2013 e recebendo a confiança dos portuenses para continuar a governar a cidade: "Temos uma equipa fantástica que irá governar o Porto sem deixar de ouvir todos os portuenses", disse Moreira, que acabou o seu discurso com uma citação de Francisco Sá Carneiro.

Manuel Pizarro conseguiu melhorar o resultado obtido em 2013, mas foi insuficiente. As circunstâncias em que foi forçado a avançar para a disputa eleitoral não foram esquecidas. Na intervenção sobre os resultados, o socialista frisou que travou a batalha "em condições terríveis", em alusão à quebra do acordo com Rui Moreira, em maio. Mesmo assim, salientou a subida de votos e a manutenção da Junta de Freguesia de Campanhã, a única nas mãos dos socialistas. Pizarro fez ainda questão de "notar que do lado do vencedor continua a mesma acrimónia e crispação que marcou o percurso eleitoral", tendo em mente "os ataques mais violentos" que Rui Moreira fez ao governo.

Da parte da coligação Porto Autêntico, a derrota era esperada. Os números é que podem ser ainda mais pesados. O PSD, aqui aliado ao PPM, teve o pior resultado de sempre na cidade, com Álvaro Almeida a ser o único elemento da lista eleito vereador. Na hora da derrota, o professor de Economia teve um discurso digno, garantindo que irá assumir o seu lugar como vereador, e justificando o mau resultado com o voto útil: "Houve um desvio de votos do eleitorado tradicional do PSD para a candidatura de Rui Moreira, em parte motivada pela preocupação do voto útil, para que o PS não ganhasse as eleições, e o PSD foi penalizado." Para atenuar a situação, o PSD conseguiu manter a presidência da Junta de Freguesia de Paranhos, a única que tinha no Porto.

Para a CDU, a noite foi de angústia para saber se chegava à eleição de um vereador o que veio a confirmar-se apesar do partido ter perdido muitos votos.

O BE voltou a falhar no Porto. Teve um grande aumento de votos, mais do que duplicou em relação a 2013, em que teve resultado desastroso, mas não foi suficiente para eleger João Teixeira Lopes para a vereação da câmara.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.