Risco de incêndios volta a aumentar

Risco de incêndio volta a aumentar a partir de hoje e permanecerá até, pelo menos, até quarta-feira, devido à previsão de tempo seco e subida de temperatura

"O risco de incêndio volta a aumentar já a partir de dia 21, e pelo menos até dia 25 de outubro", lê-se no comunicado do IPMA, que precisou que, entre domingo e quarta-feira, prevê-se um "novo período de tempo seco, sem precipitação".

A partir de domingo "deverá ocorrer uma subida gradual dos valores da temperatura do ar", prevendo-se que os valores da máxima fiquem acima dos valores médios para a segunda quinzena de outubro "na generalidade do território, com valores que a partir de dia 24 deverão atingir no máximo 25° a 30°C".

Já os valores da humidade relativa do ar deverão ficar abaixo de 40% no período da tarde em grande parte do país, especialmente no interior.

Aviso à população

Com base nas previsões do IPMA, a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) lançou hoje um "aviso à população", referindo que "devido ao agravamento das condições meteorológicas, com uma subida da temperatura", reúnem-se as "condições favoráveis à ocorrência e propagação de incêndios florestais".

A ANPC salientou que "o país atravessa um já longo período de seca e, além disso, existe grande quantidade de material combustível acumulado e suscetível de arder rápida e violentamente nos espaços florestais".

O que está proibido

Neste sentido, a ANPC afirma que até ao final do mês vigora o "período crítico", pelo que não é permitido "realizar queimadas de fogueiras para recreio ou lazer ou para confeção de alimentos", "utilizar equipamentos de queima e de combustão destinados a iluminação ou a confeção de alimentos", ou "queimar matos cortados e amontoados, bem como qualquer outro tipo de sobrantes de exploração".

Também não é permitido "lançar balões com mecha acesa ou qualquer outro tipo de foguetes, fumar ou fazer lume de qualquer tipo nos espaços florestais e vias de atravessamento ou circundantes", e "fumigar ou desinfestar apiários com utensílios que não estejam equipados com dispositivos de retenção de faúlhas".

Aconselha a ANPC a "manter as máquinas e equipamentos limpos de óleos e poeiras", "abastecer as máquinas a frio e em local com pouca vegetação", e "guardar todo o cuidado com as faíscas aquando do seu manuseamento, evitando a sua utilização durante os períodos de maior calor".

Balanço

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano, segundo as autoridades, provocaram 44 mortos e cerca de 70 feridos, mais de uma dezena dos quais graves.

Os fogos obrigaram a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas, sobretudo nas regiões Norte e Centro.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos em Portugal, depois de Pedrógão Grande, em junho deste ano, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou, segundo a contabilização oficial, 64 vítimas mortais e mais de 250 feridos. Registou-se ainda a morte de uma mulher que foi atropelada quando fugia deste fogo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."