Risco de colapso leva Governo a anunciar obras na Ponte 25 de Abril

O executivo de António Costa admite necessidade de intervenção urgente que custará 18 milhões de euros

O Governo anunciou esta quarta-feira que a Ponte 25 de Abril irá ter obras com caráter de urgência, após ter sido revelado um relatório do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), que apontava para os riscos de colapso da estrutura que permite a ligação entre as duas margens do rio Tejo, entre Almada e Lisboa.

A revista Visão que esta quinta-feira está nas bancas revela um relatório do LNEC que aponta para os graves riscos na travessia sobre o Tejo, referindo mesmo haver riscos de colapso.

A Infraestruturas de Portugal (IP) anunciou que a obra tem "um prazo de execução de dois anos", com "um preço base de 18 milhões de euros". Nesse sentido, o IP vai lançar "no decorrer deste mês" uma empreitada de trabalhos de reparação e conservação da Ponte 25 de Abril.

As intervenções previstas, segundo a IP, incidem sobre elementos metálicos da ponte suspensa e em elementos de betão armado pré-esforçado do viaduto de acesso norte.

"Genericamente, trata-se da execução de trabalhos de construção metálica, soldadura, reposição localizada da proteção anticorrosiva, substituição de elementos não estruturais, limpeza, tratamento e pintura pontual de superfícies de betão", acrescenta o comunicado.

A IP salienta que os trabalhos de manutenção realizar-se-ão durante a noite e aos fins de semana.

O CDS já anunciou entretanto que irá chamar ao Parlamento com caráter de urgência Pedro Marques, ministro do Planeamento, e o LNEC, depois de ter sido confrontado com um relatório secreto do LNEC que apontava para a urgência de obras para evitar o colapso da ponte.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.