Risco de colapso leva Governo a anunciar obras na Ponte 25 de Abril

O executivo de António Costa admite necessidade de intervenção urgente que custará 18 milhões de euros

O Governo anunciou esta quarta-feira que a Ponte 25 de Abril irá ter obras com caráter de urgência, após ter sido revelado um relatório do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), que apontava para os riscos de colapso da estrutura que permite a ligação entre as duas margens do rio Tejo, entre Almada e Lisboa.

A revista Visão que esta quinta-feira está nas bancas revela um relatório do LNEC que aponta para os graves riscos na travessia sobre o Tejo, referindo mesmo haver riscos de colapso.

A Infraestruturas de Portugal (IP) anunciou que a obra tem "um prazo de execução de dois anos", com "um preço base de 18 milhões de euros". Nesse sentido, o IP vai lançar "no decorrer deste mês" uma empreitada de trabalhos de reparação e conservação da Ponte 25 de Abril.

As intervenções previstas, segundo a IP, incidem sobre elementos metálicos da ponte suspensa e em elementos de betão armado pré-esforçado do viaduto de acesso norte.

"Genericamente, trata-se da execução de trabalhos de construção metálica, soldadura, reposição localizada da proteção anticorrosiva, substituição de elementos não estruturais, limpeza, tratamento e pintura pontual de superfícies de betão", acrescenta o comunicado.

A IP salienta que os trabalhos de manutenção realizar-se-ão durante a noite e aos fins de semana.

O CDS já anunciou entretanto que irá chamar ao Parlamento com caráter de urgência Pedro Marques, ministro do Planeamento, e o LNEC, depois de ter sido confrontado com um relatório secreto do LNEC que apontava para a urgência de obras para evitar o colapso da ponte.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).