Rio contra a isenção total de IVA para os partidos

Candidato à liderança do PSD criticou a forma "um bocado às escondidas" como decorreu o processo legislativo das novas regras de financiamento partidário

Rui Rio é contra a isenção do IVA para todas as atividades dos partidos políticos, como previsto nas novas regras de financiamento partidário aprovadas pelo Parlamento. Falando em Leiria, o candidato à liderança dos sociais-democratas criticou ainda a forma como este processo decorreu.

Para Rio, a isenção do IVA só deveria ser possível para as "tarefas estritamente políticas dos partidos". E deu um exemplo: "Um partido não pode ter um bar a vender as suas cervejas e não pagar IVA por isso. Não faz sentido."

Para o antigo presidente da Câmara do Porto, o processo legislativo relativamente a esta matéria decorreu, "à pressa e um bocado às escondidas".

Um partido não pode ter um bar a vender as suas cervejas e não pagar IVA por isso. Não faz sentido

O candidato falava na sede da Associação Empresarial de Leiria, momentos antes de se iniciar a sessão de apresentação da sua moção de estratégia global para o seu partido, intitulada "Do PSD para o país".

Rio criticou a "forma" como o processo legislativo foi conduzido mas garantiu que "renuncia a qualquer discurso demagógico sobre esta matéria", não alinhando na prática "fácil" de atacar os partidos.

Para o candidato, os legisladores fizeram bem em manter os limites máximos dos donativos individuais, porque se os tivessem eliminado poder-se-ia criar uma situação em que um partido se tornaria "muito dependente de dois ou três doares".

No seu entender, "não foi das [ideias] mais graves" deste processo a eliminação do teto global para os donativos privados mas seria "melhor" que esse limite existisse. "É melhor ter do que não ter", disse.

Escusando-se a fazer qualquer apelo ao Presidente da República - "o Presidente fará o que entender" -, Rui Rio desvalorizou também o facto de não ter sido ouvido previamente pela direção do PSD e do seu grupo parlamentar nesta matéria: "O PSD tem um líder que está na plenitude das suas funções."

O candidato recusou também dizer o que fará com esta lei se for eleito líder do PSD. Insistindo nas críticas à "forma" como o processo legislativo foi conduzido, disse apenas ser preferível "transparência" e tentar envolver "toda a sociedade" num "grande debate" sobre o assunto.

Também esta quarta-feira, e perante a polémica que a lei está a levantar - sobretudo por causa das alterações relativas à devolução do IVA aos partidos e do fim do teto máximo dos donativos - Marcelo Rebelo de Sousa publicou uma nota oficial no site da Presidência em dá nota de ter recebido o referido diploma no final da semana passada e lembra que primeiro-ministro e deputados podem pedir fiscalização preventiva da lei ao Tribunal Constitucional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.