É "muito difícil" que PSD vote a favor ou se abstenha no próximo orçamento

Para o presidente do PSD, o PS teria de fazer "uma inversão brutal" do que tem sido a sua governação

Rui Rio, considerou esta terça-feira que será "muito difícil, quase impossível" que o partido possa votar a favor ou abster-se no próximo Orçamento do Estado do Governo do PS apoiado pela "esquerda das esquerdas".

Em declarações à Lusa e à TVI, na sede nacional do PSD, Rui Rio disse ser obviamente necessário aguardar pelo documento, e salientou que defende praticamente o mesmo para as finanças públicas do que pensava nos seus tempos de deputado.

"O PSD poderá votar a favor de um Orçamento do Estado apresentado por este Governo? Acho que é muito difícil que este Governo, apoiado pelos partidos da extrema-esquerda, esteja capaz de apresentar um orçamento que possa ir ao encontro dos princípios que o PSD tem defendido e que ao longo destes anos o PS não tem feito", afirmou.

Para o presidente do PSD, o PS teria de fazer "uma inversão brutal" do que tem sido a sua governação "apoiada pela esquerda das esquerdas".

Questionado se, ainda assim, não exclui uma abstenção em relação ao documento que deverá ser conhecido em outubro, Rui Rio respondeu: "Mesmo isso é muito difícil".

"Sei quais são os pressupostos que entendo que lá devem estar, e sei quais são os pressupostos que a maioria, desde logo o PS, entende que lá devem estar, e eles não são compagináveis. Portanto é muito difícil, parece-me quase impossível", justificou Rui Rio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.