"Uma coisa nunca vista". Enchente de turistas na aldeia minhota de Sistelo

Moradores da aldeia de Sistelo espantados com tanta afluência ao "pequeno Tibete português"

Em Sistelo, Arcos de Valdevez, a 'tia' Amélia amplia a sua tasquinha e o padre Bruno autoriza a instalação de um restaurante na residência paroquial, como "medidas de contingência" para acudir ao surto turístico numa aldeia monumento nacional.

Os cerca de 10 quilómetros de passadiços, primeiro, e, bem recentemente, a classificação como monumento nacional, enquanto paisagem cultural evolutiva viva, tiraram do anonimato a até aqui pacata aldeia do Sistelo, em Arcos de Valdevez, que agora vive dias agitados com a crescente "invasão" de turistas.

"Dantes não se passava nada, mas agora é uma coisa nunca vista. Ainda no domingo era aqui gente que eu sei lá", atira a 'tia' Amélia, dona de uma típica tasquinha instalada bem no coração do Sistelo.

Para dar vazão à procura, está a remodelar e a ampliar o estabelecimento, que outrora foi mercearia e que agora funciona como café, mas também como restaurante, servindo petiscos e refeições.

Localizada nos limites do Parque Nacional da Peneda-Gerês e conhecida como o "pequeno Tibete português", devido aos seus socalcos, a aldeia do Sistelo tem cerca de 270 habitantes e é iminentemente rural.

"O problema é que nunca mais me acabam o 'diacho' das obras", queixa-se, numa altura em que na tasquinha entra mais um grupo de turistas, desta vez espanhóis.

Localizada nos limites do Parque Nacional da Peneda-Gerês e conhecida como o "pequeno Tibete português", devido aos seus socalcos, a aldeia do Sistelo tem cerca de 270 habitantes e é iminentemente rural.

Mais de 70 por cento da população, garante o presidente da Junta, tem mais de 60 anos e habitantes com menos de 10 anos são apenas três.

Sistelo começou a ser uma das prioridades dos roteiros turísticos dos amantes da natureza, desde logo por causa dos cerca de 10 quilómetros de passadiços, integrados na ecovia do Vez

O gado anda à solta pelos montes da freguesia e, volta e meia, decide "passear" calmamente pelo meio das estradas, habituado que está à falta de trânsito.

Mas aquele é um "passeio" que nos últimos dois ou três anos se tornou mais arriscado, já que Sistelo começou a ser uma das prioridades dos roteiros turísticos dos amantes da natureza, desde logo por causa dos cerca de 10 quilómetros de passadiços, integrados na ecovia do Vez.

O risco aumentou depois de, em finais de 2017, em pleno hospital, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ter promulgado o diploma que classifica Sistelo como monumento nacional, enquanto paisagem cultural.

Sistelo foi, assim, assolada por uma espécie de "surto turístico", que obrigou a aldeia a "medidas de contingência".

Além da 'tia' Amélia, também o padre Bruno decidiu colaborar, tendo cedido a residência paroquial para ali ser instalado um restaurante, que abre no próximo sábado.

"Até as minhas missas passaram a ter mais gente e a serem mais animadas?", refere o jovem pároco.

A falta de unidades de alojamento é uma das lacunas que a crescente procura turística pôs a nu.

No total, diz o presidente da Junta, há meia dúzia de alojamentos, com oito camas.

"Mas há já muita gente a manifestar interesse de investir aqui nessa área", assegura Sérgio Rodrigues.

Temos de fazer pela vida e aproveitar a nossa galinha dos ovos de ouro. Se os turistas nos procuram, há que saber prendê-los e fidelizá-los

Paralelamente, ao abrigo de uma candidatura ao programa Valorizar, no valor de 250 mil euros, a Casa do Castelo está a ser transformada em centro interpretativo da paisagem cultural, para acolher os turistas e os "guiar" para os vários recantos da aldeia, e um velho moinho está a ser recuperado.

À espera de aprovação, está mais uma candidatura, de 180 mil euros, para juntar mais meio quilómetro aos passadiços, dar nova vida a uma eira com 31 espigueiros, requalificar um miradouro e construir um parque de merendas.

"Temos de fazer pela vida e aproveitar a nossa galinha dos ovos de ouro. Se os turistas nos procuram, há que saber prendê-los e fidelizá-los", remata o presidente da Junta.

Em Sistelo, nas fraldas do Parque Nacional da Peneda-Gerês, o balir e o mugir ainda são os sons mais ouvidos, mas o roncar dos motores dos automóveis já lhes começa a fazer concorrência.

Os mais velhos -- a 'tia' Amélia é uma das poucas exceções - olham com alguma perplexidade para a violação da pacatez da aldeia, mas os jovens encaram a nova realidade como uma oportunidade para construírem o seu futuro na terra que os viu nascer.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...