Marcelo foi ao Intendente fazer a barba. E alertou para excessos de turismo

Visita do Presidente da República ao bairro lisboeta foi recebida com muitos beijinhos e abraços

O Presidente da República matou esta-sexta-feira saudades dos avós minhotos, fez a barba no único estabelecimento sobrevivente à renovação do largo do Intendente e alertou para os perigos do turismo e da consequente pressão imobiliária em Lisboa.

Marcelo Rebelo de Sousa, sempre abordado por transeuntes - desde habitantes locais de sempre aos mais recentes e até membros das comunidades do Bangladeche e do Nepal - começou por voltar ao Grupo Excursionista e Recreativo "Casa dos Amigos do Minho", soprando as velas do bolo do 67.º aniversário, manchado pela "triste notícia" de abandono das instalações dentro de dois domingos.

"Agora é a moda [o largo do Intendente]. Imediatamente, as vítimas são os inquilinos, nomeadamente as antigas coletividades, mas está a acontecer por todo o centro de Lisboa...", lamentou o chefe de Estado.

À entrada e à saída do prédio da Rua do Benformoso, entre restaurantes asiáticos, Marcelo Rebelo de Sousa foi "atacado" pela população maioritariamente sexagenária "dos Amigos do Minho" para beijinhos, abraços e a "imagem de marca" das fotografias com telemóvel.

A madeirense Eugénia "fadista" Maria, 66 anos, insistiu e o Presidente interrompeu mesmo a banda do baile pós-almoço, com mais de 100 pessoas, para a ouvir. "Ai, queria tanto cantar para ele, soube mesmo bem, mas olhe que eu só votava no Alberto João, este Albuquerque, agora não", disse, referindo-se aos governantes sociais-democratas da "pérola do Atlântico".

"Temos de evitar que as pessoas, de repente, venham a Lisboa para ver estrangeiros. Não veem lisboetas e vão aos lugares típicos para ver franceses, brasileiros, asiáticos, africanos. Não é que não seja interessante, mas convinha haver pessoas e coletividades com a maneira de ser de quem vive em Lisboa", insistiu o Presidente, conduzido até à barbearia instalada há 110 anos no agora renovado largo, que já viveu muitos e continua a viver alguns dramas de droga e prostituição.

A cicerone de serviço foi Marta Silva, antiga bailarina, há muito ligada a projetos artísticos e de integração social e dirigente da cooperativa Largo Residências, um projeto que contempla um hostel, onde também há espaço para patrocinar artistas de várias áreas, um café-concerto e muitas iniciativas de integração e formação da população com outras entidades e instituições locais.

Foi já sentado na cadeira do barbeiro Júlio Cunha, 82 anos, que continua o negócio inaugurado pelo pai, que Marcelo Rebelo de Sousa aproveitou para fazer a barba, com espuma e navalha, algo que o profissional considerou como "a cereja no topo do bolo" da carreira, embora adiantando que o atual primeiro-ministro e antigo edil lisboeta, António Costa, também frequentou a sua loja, quando teve o gabinete naquela zona.

Paulo Cunha, filho do barbeiro, e presidente do Sport Clube Intendente, fundado pelo seu avô e outros dois amigos há mais de 80 anos e que continua a acolher festas e eventos, também lastimou o facto "quase inevitável" de ter de abandonar as instalações da coletividade "algures em 2018", em virtude do fim dos prazos impostos pela "lei das rendas", provavelmente para dar lugar a mais hotéis ou apartamentos.

Continuando o passeio, com uma ou duas abordagens de pessoas menos amistosas e visivelmente sob a influência de substâncias, o Presidente da República visitou as instalações do Largo Residências, ficou a conhecer os projetos artísticos e outros e também ouviu e falou do tema da "gentrificação" (alteração e desvirtuamento da população local em virtude de empreendimentos económicos), com outros elementos ligados àquelas iniciativas.

O chefe de Estado foi ainda "brindado" com uma pequena atuação do Grupo Limpeza Urbana Musical, cuja especialidade é a percussão com caixotes de lixo e materiais reciclados e experimentou a sensação de fazer de cabos de vassoura baquetas e dos contentores tambores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.