Marcelo foi ao Intendente fazer a barba. E alertou para excessos de turismo

Visita do Presidente da República ao bairro lisboeta foi recebida com muitos beijinhos e abraços

O Presidente da República matou esta-sexta-feira saudades dos avós minhotos, fez a barba no único estabelecimento sobrevivente à renovação do largo do Intendente e alertou para os perigos do turismo e da consequente pressão imobiliária em Lisboa.

Marcelo Rebelo de Sousa, sempre abordado por transeuntes - desde habitantes locais de sempre aos mais recentes e até membros das comunidades do Bangladeche e do Nepal - começou por voltar ao Grupo Excursionista e Recreativo "Casa dos Amigos do Minho", soprando as velas do bolo do 67.º aniversário, manchado pela "triste notícia" de abandono das instalações dentro de dois domingos.

"Agora é a moda [o largo do Intendente]. Imediatamente, as vítimas são os inquilinos, nomeadamente as antigas coletividades, mas está a acontecer por todo o centro de Lisboa...", lamentou o chefe de Estado.

À entrada e à saída do prédio da Rua do Benformoso, entre restaurantes asiáticos, Marcelo Rebelo de Sousa foi "atacado" pela população maioritariamente sexagenária "dos Amigos do Minho" para beijinhos, abraços e a "imagem de marca" das fotografias com telemóvel.

A madeirense Eugénia "fadista" Maria, 66 anos, insistiu e o Presidente interrompeu mesmo a banda do baile pós-almoço, com mais de 100 pessoas, para a ouvir. "Ai, queria tanto cantar para ele, soube mesmo bem, mas olhe que eu só votava no Alberto João, este Albuquerque, agora não", disse, referindo-se aos governantes sociais-democratas da "pérola do Atlântico".

"Temos de evitar que as pessoas, de repente, venham a Lisboa para ver estrangeiros. Não veem lisboetas e vão aos lugares típicos para ver franceses, brasileiros, asiáticos, africanos. Não é que não seja interessante, mas convinha haver pessoas e coletividades com a maneira de ser de quem vive em Lisboa", insistiu o Presidente, conduzido até à barbearia instalada há 110 anos no agora renovado largo, que já viveu muitos e continua a viver alguns dramas de droga e prostituição.

A cicerone de serviço foi Marta Silva, antiga bailarina, há muito ligada a projetos artísticos e de integração social e dirigente da cooperativa Largo Residências, um projeto que contempla um hostel, onde também há espaço para patrocinar artistas de várias áreas, um café-concerto e muitas iniciativas de integração e formação da população com outras entidades e instituições locais.

Foi já sentado na cadeira do barbeiro Júlio Cunha, 82 anos, que continua o negócio inaugurado pelo pai, que Marcelo Rebelo de Sousa aproveitou para fazer a barba, com espuma e navalha, algo que o profissional considerou como "a cereja no topo do bolo" da carreira, embora adiantando que o atual primeiro-ministro e antigo edil lisboeta, António Costa, também frequentou a sua loja, quando teve o gabinete naquela zona.

Paulo Cunha, filho do barbeiro, e presidente do Sport Clube Intendente, fundado pelo seu avô e outros dois amigos há mais de 80 anos e que continua a acolher festas e eventos, também lastimou o facto "quase inevitável" de ter de abandonar as instalações da coletividade "algures em 2018", em virtude do fim dos prazos impostos pela "lei das rendas", provavelmente para dar lugar a mais hotéis ou apartamentos.

Continuando o passeio, com uma ou duas abordagens de pessoas menos amistosas e visivelmente sob a influência de substâncias, o Presidente da República visitou as instalações do Largo Residências, ficou a conhecer os projetos artísticos e outros e também ouviu e falou do tema da "gentrificação" (alteração e desvirtuamento da população local em virtude de empreendimentos económicos), com outros elementos ligados àquelas iniciativas.

O chefe de Estado foi ainda "brindado" com uma pequena atuação do Grupo Limpeza Urbana Musical, cuja especialidade é a percussão com caixotes de lixo e materiais reciclados e experimentou a sensação de fazer de cabos de vassoura baquetas e dos contentores tambores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.