Rejeitado recurso da Airbus no concurso dos helicópteros para a Força Aérea

A Leonardo, herdeira do fabricante dos helicópteros EH-101, é a outra empresa candidata num concurso de 20,5 milhões de euros.

O ministro da Defesa rejeitou esta sexta-feira o recurso feito pela Airbus Defense and Space no concurso de fornecimento de cinco helicópteros ligeiros para a Força Aérea.

Azeredo Lopes falava no final do debate parlamentar sobre o orçamento da Defesa para 2018, onde o papel futuro da Força Aérea no combate aos fogos foi uma das questões mais abordadas.

Aquele concurso lançado há alguns meses, no valor de 20,5 milhões de euros, prevê a aquisição de cinco aparelhos com opção de compra de mais dois para substituirem os Alouette III, que datam da guerra colonial.

O recurso da Airbus Defense and Space (fabricante das aeronaves de transporte C-295) tinha natureza hierárquica porque, como o ministro da Defesa delegou as respetivas competências no chefe do Estado-Maior da Força Aérea, as decisões deste responsável não eram passíveis de contestação, explicou uma das fontes ouvidas pelo DN.
Sendo eliminada a Airbus Defense and Space, a Leonardo (antiga Agusta Westland, construtora dos helicópteros EH-101) fica como candidata única no concurso dos helicópteros ligeiros para a Força Aérea.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.