Rejeitado recurso da Airbus no concurso dos helicópteros para a Força Aérea

A Leonardo, herdeira do fabricante dos helicópteros EH-101, é a outra empresa candidata num concurso de 20,5 milhões de euros.

O ministro da Defesa rejeitou esta sexta-feira o recurso feito pela Airbus Defense and Space no concurso de fornecimento de cinco helicópteros ligeiros para a Força Aérea.

Azeredo Lopes falava no final do debate parlamentar sobre o orçamento da Defesa para 2018, onde o papel futuro da Força Aérea no combate aos fogos foi uma das questões mais abordadas.

Aquele concurso lançado há alguns meses, no valor de 20,5 milhões de euros, prevê a aquisição de cinco aparelhos com opção de compra de mais dois para substituirem os Alouette III, que datam da guerra colonial.

O recurso da Airbus Defense and Space (fabricante das aeronaves de transporte C-295) tinha natureza hierárquica porque, como o ministro da Defesa delegou as respetivas competências no chefe do Estado-Maior da Força Aérea, as decisões deste responsável não eram passíveis de contestação, explicou uma das fontes ouvidas pelo DN.
Sendo eliminada a Airbus Defense and Space, a Leonardo (antiga Agusta Westland, construtora dos helicópteros EH-101) fica como candidata única no concurso dos helicópteros ligeiros para a Força Aérea.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.