Rejeitado recurso da Airbus no concurso dos helicópteros para a Força Aérea

A Leonardo, herdeira do fabricante dos helicópteros EH-101, é a outra empresa candidata num concurso de 20,5 milhões de euros.

O ministro da Defesa rejeitou esta sexta-feira o recurso feito pela Airbus Defense and Space no concurso de fornecimento de cinco helicópteros ligeiros para a Força Aérea.

Azeredo Lopes falava no final do debate parlamentar sobre o orçamento da Defesa para 2018, onde o papel futuro da Força Aérea no combate aos fogos foi uma das questões mais abordadas.

Aquele concurso lançado há alguns meses, no valor de 20,5 milhões de euros, prevê a aquisição de cinco aparelhos com opção de compra de mais dois para substituirem os Alouette III, que datam da guerra colonial.

O recurso da Airbus Defense and Space (fabricante das aeronaves de transporte C-295) tinha natureza hierárquica porque, como o ministro da Defesa delegou as respetivas competências no chefe do Estado-Maior da Força Aérea, as decisões deste responsável não eram passíveis de contestação, explicou uma das fontes ouvidas pelo DN.
Sendo eliminada a Airbus Defense and Space, a Leonardo (antiga Agusta Westland, construtora dos helicópteros EH-101) fica como candidata única no concurso dos helicópteros ligeiros para a Força Aérea.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.