Risco de pobreza atinge 2,4 milhões de portugueses

Dados do Instituto Nacional de Estatística indicam que, em 2017, dois milhões e 399 mil portugueses estavam em risco de pobreza ou exclusão social, ou seja, menos 196 mil pessoas do que no ano anterior

Em 2017 um total de dois milhões e 399 mil portugueses estavam em risco de pobreza ou exclusão social, o que corresponde a menos 196 mil comparativamente a 2016, segundo dados estatísticos hoje divulgados.

Os números são revelados pelo Inquérito às Condições de Vida e Rendimento do Instituto Nacional de Estatística (INE), que se realiza em Portugal desde 2004, recorrendo a entrevistas presenciais, dirigindo-se a 14.052 famílias em 2017.

A estrutura do questionário inclui perguntas sobre o agregado familiar e as características pessoais de cada membro, em particular sobre os rendimentos de todos os elementos com idade igual ou superior a 16 anos, sendo a operação de recolha de dados realizada normalmente no segundo trimestre de cada ano.

O indicador estatístico sobre a população em risco de pobreza ou exclusão social liga a condição de risco de pobreza relativa com a privação material severa e de intensidade laboral 'per capita' muito reduzida.

Do total de pessoas em pobreza ou exclusão social, 18% (431 mil) eram menores de 18 anos, enquanto 18,8% (451 mil) eram pessoas com 65 ou mais anos

Os resultados definitivos do Inquérito às Condições de Vida e Rendimento realizado em 2017 dão conta de 2.399 milhares de pessoas em risco de pobreza ou exclusão social, o equivalente a 23,6%, menos 196 mil pessoas do que no ano anterior.

Do total de pessoas em pobreza ou exclusão social, 18% (431 mil) eram menores de 18 anos, enquanto 18,8% (451 mil) eram pessoas com 65 ou mais anos.

Em 2017, 6,9% dos residentes (708 milhares de pessoas) viviam em condição de privação material severa, menos 1,5 pontos percentuais do que em 2016 e menos 2,7 pontos percentuais em relação a 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.