Risco de pobreza atinge 2,4 milhões de portugueses

Dados do Instituto Nacional de Estatística indicam que, em 2017, dois milhões e 399 mil portugueses estavam em risco de pobreza ou exclusão social, ou seja, menos 196 mil pessoas do que no ano anterior

Em 2017 um total de dois milhões e 399 mil portugueses estavam em risco de pobreza ou exclusão social, o que corresponde a menos 196 mil comparativamente a 2016, segundo dados estatísticos hoje divulgados.

Os números são revelados pelo Inquérito às Condições de Vida e Rendimento do Instituto Nacional de Estatística (INE), que se realiza em Portugal desde 2004, recorrendo a entrevistas presenciais, dirigindo-se a 14.052 famílias em 2017.

A estrutura do questionário inclui perguntas sobre o agregado familiar e as características pessoais de cada membro, em particular sobre os rendimentos de todos os elementos com idade igual ou superior a 16 anos, sendo a operação de recolha de dados realizada normalmente no segundo trimestre de cada ano.

O indicador estatístico sobre a população em risco de pobreza ou exclusão social liga a condição de risco de pobreza relativa com a privação material severa e de intensidade laboral 'per capita' muito reduzida.

Do total de pessoas em pobreza ou exclusão social, 18% (431 mil) eram menores de 18 anos, enquanto 18,8% (451 mil) eram pessoas com 65 ou mais anos

Os resultados definitivos do Inquérito às Condições de Vida e Rendimento realizado em 2017 dão conta de 2.399 milhares de pessoas em risco de pobreza ou exclusão social, o equivalente a 23,6%, menos 196 mil pessoas do que no ano anterior.

Do total de pessoas em pobreza ou exclusão social, 18% (431 mil) eram menores de 18 anos, enquanto 18,8% (451 mil) eram pessoas com 65 ou mais anos.

Em 2017, 6,9% dos residentes (708 milhares de pessoas) viviam em condição de privação material severa, menos 1,5 pontos percentuais do que em 2016 e menos 2,7 pontos percentuais em relação a 2015.

Ler mais

Exclusivos