PSP tem 2219 adeptos identificados por atos violentos em jogos de futebol

Em Portugal só 19 adeptos estão proibidos de entrar em estádios de futebol. Entre esses, oito são casuals

A PSP tem identificados 2219 adeptos envolvidos em situações de violência no futebol, segundo dados avançados ao DN por esta força de segurança. Destes adeptos referenciados pelas autoridades, até ao dia de ontem, apenas 19 estão interditados de entrar nos estádios. Oito deles são casuals, elementos sem registo nas claques oficiais e que se organizam para provocar distúrbios e confrontos.

De acordo ainda com a PSP, até abril último, os confrontos entre adeptos tinham triplicado (50 na última época, 180 na presente) e as invasões de campo tinham duplicado (41 contra 21). Incitamento à violência, ao racismo e à xenofobia tinha, até ao mês passado, 31 casos registados.

A violência na Academia do Sporting em Alcochete foi, reconhecem os peritos desta polícia, o culminar de uma época futebolística particularmente agressiva, cujos sinais estavam visíveis. Numa conferência na Assembleia da República sobre Violência no Deporto, em abril, a intervenção do principal especialista da PSP nesta matéria, o superintendente Luís Simões, deixou vários alertas e propostas para travar esta escalada.

A possível justificação para o residual número de interditados face ao elevado total de adeptos, bem como para o recrudescimento desta violência, pode ser encontrada no "diagnóstico" que apresentou: "falta de celeridade das autoridades administrativas; falta de sensibilização do poder judicial na aplicação das sanções; "expedientes" jurídicos que atrasam ou anulam decisões punitivas; discursos provocatórios, por vezes agressivos ou mesmo violentos, de dirigentes e figuras públicas ligados aos clubes e media; mediatização de todos os fatores de conflitualidade clubística nos espaços noticiosos e de debate, com a perceção generalizada de que as audiências serão tanto maiores quanto maior for a agressividade, a gritaria e a falta de educação dos intervenientes nos debates".

A PSP tem uma unidade especializada em violência desportiva - O Ponto Nacional de Informações de Futebol (PNIF) - que faz a monitorização dos "adeptos de risco". Por exemplo, no caso da invasão da Academia de Alcochete, segundo fonte desta polícia, os spotters (operacionais especializados do PNIF)avisaram a GNR, cerca de 15 minutos antes dos acontecimentos, que o grupo estava a deslocar-se para aquele centro de estágios, depois de terem notado a ausência destes no estádio à hora que deviam ter ido levantar os seus bilhetes. Apesar de o alerta ter sido muito em cima da hora, ainda permitiu à GNR mobilizar os meios necessários para a perseguição e detenção de 23 dos cerca de 50 invasores.

O PNIF tem o registo dos membros registados em todas as claques (ver quadros), mas fonte oficial da PSP reconhece que, "em vários jogos, o número de pessoas a juntarem-se aos grupos organizados de adeptos (GOA), especialmente à Juventude Leonina, Super Dragões, White Angels e Panteras Negras, nestes casos tenham mais sócios, embora não se encontrem registados". Há ainda 14 GOA que não estão sequer registados, entre os quais as claques do Benfica.

Na sua intervenção no Parlamento, Luís Simões revelou que cerca de 84% dos "infratores" pertencem aos três grandes, com os adeptos do Benfica no topo a serem responsáveis por 37, 2% dos casos, seguidos do Sporting (27,8%) e do Porto (18,8%). Os bracarenses e vimaranenses seguem-se no "triste ranking" como lhe chamou o oficial superior da PSP.

Entre as medidas que esta polícia já propôs para acabar com a impunidade que claramente vinga no ambiente futebolístico destaca-se uma "sanção extremamente gravosa e ainda não prevista na legislação" que, no entender de Luís Simões, "teria um enorme efeito dissuasor": a "inibição de efetuar a transmissão televisiva" dos jogos, sempre que os adeptos provocassem incidentes. Eventualmente, acrescenta, "realizar também jogos sem adeptos visitantes".

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.