Santana Lopes: "Vou continuar a combater politicamente"

Uma sala cheia, mas com poucas caras conhecidas, confortaram Pedro Santana Lopes, o candidato derrotado à liderança do PSD.

"Temos de continuar a sonhar. Vou continua a combater politicamente!, prometeu Santana Lopes quase no final do seu discurso, no qual assumiu a derrota. Foi cedo, antes das 22 horas que o staff informou que o candidato iria falar. Com os números até essa altura conhecidos os resultados davam uma vitória avantajadaa Rui Rio, cujos apoiantes, no Porto, já festejavam há largos minutos.

"O PPD-PSD escolheu. Espero que Portugal fique bem servido com a escolha. Os militantes do partido saberão com toda certeza qual é a melhor solução para a liderança do partdo", afirmou Santana Lopes, assumindo "todas as responsabilidades". "Não fiquem tristes", pediu, "disse à minha família que estava calmo, sereno e descontraído. E isto porqe tenho a consciência tranquila. Fizemos mais importante em política, que é lutar por aquilo em que acreditamos", afirmou com firmeza. Neste momento, primeiro um pequeno grupo, depois toda a sala se levantou em aplausos e a gritar "PSD, PSD".

Notada a falta de deputados que apoiaram Santana, como Fernando Negrão, Carlos Abreu Amorim ou Luís Montenegro. Entre os presentes, mais conhecidos, estavam Rui Machete, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros e presidente da Comissão de Honra da canditatura, Antonio Almeida Henriques, António Barreto Xavier, Miguel Salema Garção e Eduarda Napoleão.

O candidato à liderança do PSD Pedro Santana Lopes felicitou hoje por telefone o seu adversário Rui Rio pela vitória nas eleições diretas do partido. "Vou continuar lutar politicamente", assegurou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.