Santana Lopes: "Vou continuar a combater politicamente"

Uma sala cheia, mas com poucas caras conhecidas, confortaram Pedro Santana Lopes, o candidato derrotado à liderança do PSD.

"Temos de continuar a sonhar. Vou continua a combater politicamente!, prometeu Santana Lopes quase no final do seu discurso, no qual assumiu a derrota. Foi cedo, antes das 22 horas que o staff informou que o candidato iria falar. Com os números até essa altura conhecidos os resultados davam uma vitória avantajadaa Rui Rio, cujos apoiantes, no Porto, já festejavam há largos minutos.

"O PPD-PSD escolheu. Espero que Portugal fique bem servido com a escolha. Os militantes do partido saberão com toda certeza qual é a melhor solução para a liderança do partdo", afirmou Santana Lopes, assumindo "todas as responsabilidades". "Não fiquem tristes", pediu, "disse à minha família que estava calmo, sereno e descontraído. E isto porqe tenho a consciência tranquila. Fizemos mais importante em política, que é lutar por aquilo em que acreditamos", afirmou com firmeza. Neste momento, primeiro um pequeno grupo, depois toda a sala se levantou em aplausos e a gritar "PSD, PSD".

Notada a falta de deputados que apoiaram Santana, como Fernando Negrão, Carlos Abreu Amorim ou Luís Montenegro. Entre os presentes, mais conhecidos, estavam Rui Machete, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros e presidente da Comissão de Honra da canditatura, Antonio Almeida Henriques, António Barreto Xavier, Miguel Salema Garção e Eduarda Napoleão.

O candidato à liderança do PSD Pedro Santana Lopes felicitou hoje por telefone o seu adversário Rui Rio pela vitória nas eleições diretas do partido. "Vou continuar lutar politicamente", assegurou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.