PSD insiste em voos civis na base aérea de Monte Real. PS concorda

O aeródromo militar da Força Aérea Portuguesa é sobretudo vocacionada para a aviação de caça

O grupo parlamentar do PSD apresentou esta quarta-feira uma recomendação para que o Governo adapte a base aérea de Monte Real para receber voos civis, visando o desenvolvimento económico da região centro, proposta com a qual o PS concorda.

Na apresentação do projeto de resolução do PSD na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, no parlamento, a deputada social-democrata Fátima Ramos defendeu que "a abertura da base aérea de Monte Real a outros serviços era importante para todo o país e para a região Centro [...] porque permitiria desenvolver e potenciar a capacidade económica e exportadora".

"Ajudava também a dinamizar territórios onde as condições de vida são piores porque estão mais desertificados, desde logo nos distritos de Leiria e de Coimbra, que foram fustigados pelos incêndios" do ano passado, acrescentou a responsável.

Ao mesmo tempo, criar ali um aeroporto serviria para promover o turismo, realçou Fátima Ramos, lembrando que na região existe património classificado e "locais que atraem muitos visitantes", como o Santuário de Fátima e a Universidade de Coimbra.

Localizado em Monte Real, concelho de Leiria, este é um aeródromo militar da Força Aérea Portuguesa, vocacionado sobretudo para a aviação de caça.

De acordo com a deputada do PSD, não existem entraves à concretização de tal medida, já que o Ministério da Defesa se "mostrou disponível para estudar o assunto", os problemas ambientais "não têm sido levantados" e esta é "uma zona com bons acessos"

"Não nos podemos esquecer que o próprio aeroporto de Lisboa está a ficar saturado e se esta base aérea puder ser usada para voos civis, de forma permanente, estamos a rentabilizar recursos", salientou.

De opinião semelhante, o deputado do PS Pedro Coimbra considerou ser "necessário abrir outros espaços a voos comerciais", notando que isso poderá ser feito na base aérea de Monte Real "com poucas adaptações".

A seu ver, um aeroporto naquele local iria contribuir para economia da região e nacional.

O socialista falou ainda na necessidade de "maior capacidade aeroportuária" numa altura que as infraestruturas existentes "estão saturadas".

"Eu tendo a apoiar e o PS tende a apoiar", disse.

Ainda assim, Pedro Coimbra lembrou que se fala nesta possibilidade há cerca de 40 anos, sem que qualquer medida avance.

Mais reticente mostrou-se o deputado do BE Heitor de Sousa, para quem "o projeto de resolução do PSD precisa de ser mais bem refletido".

Segundo o bloquista, uma das principais dificuldades à adaptação de Monte Real para receber voos civis são os acessos, desde logo por comboio, já que "o serviço ferroviário que a Linha do Oeste presta é uma coisa risível".

"Defender um aeroporto na base aérea de Monte Real é querer fazer um aeroporto no meio do deserto", afirmou.

Heitor de Sousa sustentou ainda que a proposta do PSD serve apenas como "bandeira", razão pela qual só deveria ser apresentada aquando das eleições legislativas do próximo ano.

Também Bruno Dias, do PCP, destacou ser "preciso assegurar que a operacionalidade da Força Aérea [que funciona no local] não é posta em causa".

"O que defendemos é um uso civil complementar", adiantou o comunista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.