PSD insiste em voos civis na base aérea de Monte Real. PS concorda

O aeródromo militar da Força Aérea Portuguesa é sobretudo vocacionada para a aviação de caça

O grupo parlamentar do PSD apresentou esta quarta-feira uma recomendação para que o Governo adapte a base aérea de Monte Real para receber voos civis, visando o desenvolvimento económico da região centro, proposta com a qual o PS concorda.

Na apresentação do projeto de resolução do PSD na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, no parlamento, a deputada social-democrata Fátima Ramos defendeu que "a abertura da base aérea de Monte Real a outros serviços era importante para todo o país e para a região Centro [...] porque permitiria desenvolver e potenciar a capacidade económica e exportadora".

"Ajudava também a dinamizar territórios onde as condições de vida são piores porque estão mais desertificados, desde logo nos distritos de Leiria e de Coimbra, que foram fustigados pelos incêndios" do ano passado, acrescentou a responsável.

Ao mesmo tempo, criar ali um aeroporto serviria para promover o turismo, realçou Fátima Ramos, lembrando que na região existe património classificado e "locais que atraem muitos visitantes", como o Santuário de Fátima e a Universidade de Coimbra.

Localizado em Monte Real, concelho de Leiria, este é um aeródromo militar da Força Aérea Portuguesa, vocacionado sobretudo para a aviação de caça.

De acordo com a deputada do PSD, não existem entraves à concretização de tal medida, já que o Ministério da Defesa se "mostrou disponível para estudar o assunto", os problemas ambientais "não têm sido levantados" e esta é "uma zona com bons acessos"

"Não nos podemos esquecer que o próprio aeroporto de Lisboa está a ficar saturado e se esta base aérea puder ser usada para voos civis, de forma permanente, estamos a rentabilizar recursos", salientou.

De opinião semelhante, o deputado do PS Pedro Coimbra considerou ser "necessário abrir outros espaços a voos comerciais", notando que isso poderá ser feito na base aérea de Monte Real "com poucas adaptações".

A seu ver, um aeroporto naquele local iria contribuir para economia da região e nacional.

O socialista falou ainda na necessidade de "maior capacidade aeroportuária" numa altura que as infraestruturas existentes "estão saturadas".

"Eu tendo a apoiar e o PS tende a apoiar", disse.

Ainda assim, Pedro Coimbra lembrou que se fala nesta possibilidade há cerca de 40 anos, sem que qualquer medida avance.

Mais reticente mostrou-se o deputado do BE Heitor de Sousa, para quem "o projeto de resolução do PSD precisa de ser mais bem refletido".

Segundo o bloquista, uma das principais dificuldades à adaptação de Monte Real para receber voos civis são os acessos, desde logo por comboio, já que "o serviço ferroviário que a Linha do Oeste presta é uma coisa risível".

"Defender um aeroporto na base aérea de Monte Real é querer fazer um aeroporto no meio do deserto", afirmou.

Heitor de Sousa sustentou ainda que a proposta do PSD serve apenas como "bandeira", razão pela qual só deveria ser apresentada aquando das eleições legislativas do próximo ano.

Também Bruno Dias, do PCP, destacou ser "preciso assegurar que a operacionalidade da Força Aérea [que funciona no local] não é posta em causa".

"O que defendemos é um uso civil complementar", adiantou o comunista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.