Costa "perdeu oportunidade" para mostrar que "ainda é capaz" de governar

A reação do PSD à mensagem de Natal do primeiro-ministro

O líder parlamentar do PSD considera que a mensagem do primeiro-ministro foi uma "oportunidade perdida" para António Costa "demonstrar ser ainda capaz de fazer aquilo que é preciso fazer em Portugal".

"O senhor primeiro-ministro perdeu, mais uma vez, uma oportunidade de demonstrar ser ainda capaz de fazer aquilo que é preciso fazer em Portugal", disse Hugo Soares, destacando que "a maioria está esgotada nela própria e há só um objetivo de António Costa, a sua manutenção do poder".

O líder parlamentar do PSD diz que o primeiro-ministro "não foi capaz de trazer nada de novo ao discurso político".

"Faltam dois anos para as eleições legislativas e aquilo que aparenta é que este Governo já não é capaz de apresentar nada mais às portuguesas e aos portugueses que não seja uma governação à vista, de gestão do dia-a-dia mesmo quando o Governo e o Estado falham aos que mais precisam como aconteceu neste ano", sustentou.

Criticando a ausência de ideias para futuro, Hugo Soares lamentou ainda que o executivo socialista não consiga "aproveitar, com ambição, a conjuntura internacional".

"O primeiro-ministro desperdiça a oportunidade para falar de educação, para apresentar um conjunto de reformas estruturais para a segunda parte da legislatura que possa aproveitar a extremamente favorável conjuntura internacional que Portugal deve acompanhar. Não tem uma palavra sobre as reformas necessárias no setor da saúde e na ligação das universidades às empresas", especificou.

Hugo Soares acusa António Costa de "chegar sempre tarde à resolução dos problemas" e de liderar "um Governo de muita conversa, que apresenta ao país um conjunto de intenções que nunca é capaz de concretizar"

O primeiro-ministro afirmou segunda-feira, na tradicional mensagem de Natal, que a prioridade do Governo em 2018 será "mais e melhor" emprego e prometeu, "naquilo que é humanamente possível", total empenhamento para evitar novas tragédias com incêndios.

Sobre este ponto, Hugo Soares sublinhou que António Costa "acordou tarde perante um falhanço do Estado e do seu Governo" e que o que tem sido feito até agora "não chega".

"Além de ter acordado tarde, o primeiro-ministro demonstra uma total incapacidade de responder às pessoas. Seis meses depois dos acontecimentos trágicos do ano 2017, as famílias ainda não foram indemnizadas e o Governo não teve, sequer, a sensibilidade, diria que é mais do que a sensibilidade, a obrigação de isentar de impostos as pessoas que perderam as suas casas nos incêndios trágicos de 2017", realçou.

O líder parlamentar do PSD considerou igualmente que a mensagem de Natal que António Costa dirigiu ao país teria sido "uma excelente oportunidade" para o primeiro-ministro "dar a mão à palmatória e anunciar uma medida com um grau de justeza" que podia ser aplicada pelo executivo, referindo-se à isenção do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI).

Há ainda muitas casas por reconstruir e quase nenhuma foi reconstruída com dinheiro do Estado. Tem sido, sobretudo, a iniciativa solidária dos portugueses que têm acudido às pessoas daqueles territórios e o Governo continua a cobrar impostos a património que já não existe

"Governar é, também, escolher as políticas públicas necessárias nos momentos de maiores dificuldades e, nesses momentos, o senhor primeiro-ministro tem, constantemente, desaparecido ao país", referiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.