Aniversário do Governo "muito mal comemorado" com sessão "encomendada"

Rui Rio, candidato à liderança do PSD, diz que sessão demonstra "falta de confiança" do Governo

O candidato à liderança do PSD Rui Rio afirmou hoje, em Viana do Castelo, que o aniversário dos dois anos do Governo está a ser "muito mal" comemorado, com uma sessão pública "encomendada" que "demonstra falta de confiança".

"O segundo aniversário é muito mal comemorado e demonstra a falta de confiança. Se tivesse confiança não fazia assim. Isso parece-me evidente", afirmou o antigo autarca do Porto num encontro com militantes do Alto Minho.

Rio adiantou que "o Governo tem a consciência de que o balanço não é muito positivo: se o balanço fosse positivo o Governo fazia uma sessão aberta onde as pessoas livremente perguntavam aquilo que quisessem aos membros do Governo".

O Governo assinalou hoje dois anos em funções com um Conselho de Ministros Extraordinário em Aveiro, seguido de uma sessão em que os membros do executivo responderam a questões colocadas por cidadãos, iniciativa que está a gerar polémica devido a notícias sobre o pagamento dos participantes.

"Quando o Governo vê isso com preocupação e encomenda um serviço para que as pessoas vão lá fazer perguntas que o Governo conhece de antemão e são convenientes, julgo que é o Governo que tem consciência das dificuldades que tem encontrado e dos 'inêxitos' que tem encontrado pelo caminho", sublinhou.

O candidato à liderança do PSD disse que a política "não deve ser encenada".

"Se eu faço uma sessão pública onde pessoas me fazem perguntas livremente e afinal não é livremente, tudo está preparado, então isto é um palco, é um ensaio. A política não deve ser um palco, uma peça devidamente encenada. Ou é uma coisa natural ou então não se faz", acrescentou.

O jornal Sol noticiou no sábado que o Governo liderado por António Costa vai pagar 36.750 euros a um grupo de 50 cidadãos, que participa num estudo na Universidade de Aveiro e fez hoje perguntas ao executivo na sessão pública.

De acordo com o jornal, o gabinete de Costa afirmou que foi pedida à Universidade de Aveiro "a elaboração de um estudo quantitativo, elaborado pelo professor Carlos Jalali, que aborda [...] o cumprimento das promessas por parte deste Governo e as preocupações que os inquiridos identificam como prioritárias para o futuro".

Coube à empresa Aximage a "definição técnica para a constituição de uma amostra adequada" e o "recrutamento dos participantes", incluindo "a gestão das deslocações [...]" e dos atos relacionados com transporte, alojamento e refeições", de acordo com a mesma fonte do Governo.

O Governo, citado pelo semanário, disse ser alheio aos termos da seleção e recrutamento dos participantes.

Questionado pelos jornalistas à margem da sessão de apresentação da candidatura à liderança do PSD, Rio disse que "o estado de graça do Governo acabou a partir de Pedrógão Grande" (grandes incêndios de junho), mas referiu acreditar que a legislatura será concluída.

O PSD escolherá o seu próximo presidente em 13 de janeiro em eleições diretas, com Congresso em Lisboa entre 16 e 18 de fevereiro.

Até agora, anunciaram-se como candidatos à liderança do PSD o antigo presidente da Câmara do Porto Rui Rio e o antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes.

O atual presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, já disse que não se recandidata ao cargo que ocupa desde 2010.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.