PS procura consenso para pacote da transparência

Socialistas realizam jornadas parlamentares na segunda e terça em Coimbra. Transparência e descentralização são duas áreas em debate

O PS quer o consenso mais alargado possível em matéria legislativa sobre transparência, apontou esta sexta-feira o líder parlamentar socialista, Carlos César. Falando no Parlamento, na antecipação das jornadas parlamentares que o partido realiza segunda e terça-feira em Coimbra, Carlos César notou que "estão muito enganados todos os que ignorar este problema é que o resolve". E para isso espera que as decisões sejam "consensualizadas entre todos os partidos".

Em causa está um conjunto de diplomas para reforço da transparência em cargos políticos. Entre as propostas, o PS aperta o cerco aos deputados advogados que vão ter mais impedimentos previstos na lei e propõe a criação de uma entidade de fiscalização junto do Tribunal Constitucional para identificar os incumpridores.

Para refletir sobre estas questões, os deputados socialistas vão ouvir Guilherme D"Oliveira Martins (atual administrador da Fundação Gulbenkian e antigo ministro das Finanças), Susana Coroado (vice-presidente da Associação Cívica para a Transparência e Integridade) e o fiscalista João Taborda da Gama.

Onde o PS também quer consensualizar propostas é na descentralização porque também está obrigado. Há matérias neste capítulo que avança este ano que exigem uma maioria reforçada, notou Carlos César. Sobre este tema, os deputados vão debater com o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, Isilda Gomes (antiga governadora civil de Faro) e a Associação Nacional de Municípios.

Os deputados socialistas visitarão, no primeiro dia, alguns dos concelhos mais atingidos pelos incêndios de 2017, contactando com populações mais afetadas. Penacova, Arganil, Tábua, Oliveira do Hospital, Oliveira de Frades, São Pedro do Sul, Vouzela, Mortágua, Santa Comba Dão, Pedrogão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos são os concelhos a receber delegações do grupo parlamentar do PS.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.