PS procura consenso para pacote da transparência

Socialistas realizam jornadas parlamentares na segunda e terça em Coimbra. Transparência e descentralização são duas áreas em debate

O PS quer o consenso mais alargado possível em matéria legislativa sobre transparência, apontou esta sexta-feira o líder parlamentar socialista, Carlos César. Falando no Parlamento, na antecipação das jornadas parlamentares que o partido realiza segunda e terça-feira em Coimbra, Carlos César notou que "estão muito enganados todos os que ignorar este problema é que o resolve". E para isso espera que as decisões sejam "consensualizadas entre todos os partidos".

Em causa está um conjunto de diplomas para reforço da transparência em cargos políticos. Entre as propostas, o PS aperta o cerco aos deputados advogados que vão ter mais impedimentos previstos na lei e propõe a criação de uma entidade de fiscalização junto do Tribunal Constitucional para identificar os incumpridores.

Para refletir sobre estas questões, os deputados socialistas vão ouvir Guilherme D"Oliveira Martins (atual administrador da Fundação Gulbenkian e antigo ministro das Finanças), Susana Coroado (vice-presidente da Associação Cívica para a Transparência e Integridade) e o fiscalista João Taborda da Gama.

Onde o PS também quer consensualizar propostas é na descentralização porque também está obrigado. Há matérias neste capítulo que avança este ano que exigem uma maioria reforçada, notou Carlos César. Sobre este tema, os deputados vão debater com o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, Isilda Gomes (antiga governadora civil de Faro) e a Associação Nacional de Municípios.

Os deputados socialistas visitarão, no primeiro dia, alguns dos concelhos mais atingidos pelos incêndios de 2017, contactando com populações mais afetadas. Penacova, Arganil, Tábua, Oliveira do Hospital, Oliveira de Frades, São Pedro do Sul, Vouzela, Mortágua, Santa Comba Dão, Pedrogão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos são os concelhos a receber delegações do grupo parlamentar do PS.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.