PS acusa "direita" e "extrema-esquerda" de abrirem época da "caça ao voto"

Carlos César, líder parlamentar do PS, apela que a alteração ao imposto sobre os produtos petrolíferos (ISP) "tem de ser vista com maior sentido de responsabilidade"

O líder parlamentar do PS defendeu hoje que alterações ao imposto sobre produtos petrolíferos (ISP) devem ser integradas na discussão do orçamento para 2019 e criticou "direita" e "extrema-esquerda" por abrirem a época da "caça ao voto".

"O que dá a ideia é que abriu a época oficial da caça ao voto, e todos agora acham que tudo deve ser mais barato e todos os benefícios devem estar em presença", reagiu Carlos César perante os jornalistas, quando confrontado com a possibilidade de o PSD e CDS-PP combinarem votos com o PCP e Bloco de Esquerda para forçarem uma descida do ISP.

Falando no final da reunião semanal da bancada do PS, Carlos César defendeu que "matérias que envolvem centenas de milhões de euros devem ser integradas e abordadas numa perspetiva de definição da política orçamental".

"Ora, isso só é possível quando discutirmos o Orçamento do Estado para 2019, altura em que temos de ponderar receitas e despesas. É com esse sentido de responsabilidade que devemos definir matérias como esta", sustentou.

Carlos César referiu a seguir que, em sede de Orçamento do Estado, "o PS admite e entende que é importante discutir" matérias em torno do ISP.

"Veremos se essa receita que estará a menos ou a mais será dispensável ou não para a formulação da política orçamental para o próximo ano. Quando os nossos parceiros [Bloco de Esquerda, PCP e PEV] entendem que é preciso mais uma despesa aqui, ou mais um investimento acolá, nós também lhes dizemos que os recursos disponíveis estão quantificados. Aumentamos algum imposto, diminuímos algum imposto, como se chega a um equilíbrio", questionou o líder parlamentar do PS, usando como exemplo um conjunto de interrogações.

Carlos César acentuou que esta matéria fiscal "tem de ser vista com maior sentido de responsabilidade" por parte de todas as forças políticas

Do ponto de vista político, o presidente do Grupo Parlamentar do PS visou particularmente o Bloco de Esquerda sobre este tema relativo à redução do ISP.

"Ainda há menos de duas semanas, o Bloco de Esquerda, no parlamento, num debate parlamentar, disse que uma matéria desta natureza, sobretudo pela sua importância, deveria ser discutida no âmbito da política orçamental. Alguns dias depois, no entanto, o Bloco de Esquerda correu atrás da caça ao voto", criticou.

Carlos César acentuou que esta matéria fiscal "tem de ser vista com maior sentido de responsabilidade" por parte de todas as forças políticas.

"O nosso apelo é justamente, desde a direita à extrema-esquerda, que a questão seja ponderada dessa forma responsável", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.