Presidente da República nomeia Sampaio da Nóvoa para a UNESCO

Diplomatas contestaram a escolha do Governo para este posto

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou hoje que nomeou António Sampaio da Nóvoa como representante permanente de Portugal junto da UNESCO, em Paris, seguindo a proposta do Conselho de Ministros, aprovada no início deste mês.

"Sob proposta do Governo, o Presidente da República nomeou hoje o Prof. Doutor António Sampaio da Nóvoa como Representante Permanente de Portugal junto da UNESCO, em Paris", lê-se numa nota colocada hoje no site da Presidência da República.

A 08 de fevereiro, o Conselho de Ministros tinha aprovado a nomeação do professor e antigo candidato presidencial para a chefia da missão permanente de Portugal junto da UNESCO, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, depois de os diplomatas terem contestado esta escolha do Governo.

"Foi proposta a nomeação de António Manuel Seixas Sampaio da Nóvoa para a chefia permanente de Portugal junto da Organização para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO)", informa o comunicado do Conselho de Ministros de então.

Esta decisão de escolher o professor e antigo candidato presidencial Sampaio da Nóvoa já tinha sido contestada pela Associação Sindical dos Diplomatas Portugueses, que manifestou "completa surpresa e estranheza" perante esta escolha.

Os diplomatas pediram ao Governo que reconsiderasse esta escolha, mas o Executivo garantiu então que o processo seguiria o seu curso.

Contactado pela Lusa, o presidente da assembleia-geral da associação, o embaixador Manuel Marcelo Curto considerou então que "para um posto diplomático, nomeia-se um diplomata".

Já no dia anterior à aprovação em Conselho de Ministros, o chefe da diplomacia portuguesa, Augusto Santos Silva, sublinhou que quem escolhe os embaixadores é o Governo e "não uma classe profissional" e indicou que Sampaio da Nóvoa, nomeado para representar Portugal na UNESCO, seria o único "embaixador político".

"A nomeação de embaixadores que não são diplomatas, na tradição portuguesa, que é uma boa tradição, é absolutamente excecional. Com a sua nomeação, o professor Sampaio da Nóvoa será o único chefe de missão que não é diplomata", afirmou então aos jornalistas Augusto Santos Silva.

O ministro dos Negócios Estrangeiros referiu também que "a tradição portuguesa é também reservar ou apenas indicar os chamados embaixadores políticos para organizações multilaterais como o Conselho da Europa, OCDE ou a UNESCO" e, "quando o têm feito vários governos, os resultados têm sido positivos".

O Governo decidiu reabrir este posto, encerrado em 2012 pelo anterior executivo, na sequência da eleição do país para o conselho executivo deste organismo.

Em declarações à Lusa na primeira semana deste mês, quando foi conhecida a decisão do Executivo, Augusto Santos Silva sublinhou que a escolha de Sampaio da Nóvoa se deveu, entre outras razões, ao facto de o ex-reitor ser uma "autoridade internacionalmente reconhecida" na educação.

Para o ministro dos Negócio Estrangeiros, o convite do Governo ao professor António Sampaio da Nóvoa assentou em "três razões essenciais", nomeadamente a de ser "uma autoridade internacional" na educação, "uma das áreas fundamentais na missão da UNESCO".

Além disso, o executivo entende que Sampaio da Nóvoa "combina a sua experiência como académico e perito nas áreas da educação e da ciência" com uma experiência "não menos relevante de gestão e direção em instituições culturais, científicas e académicas", nomeadamente como reitor, durante vários mandatos, da Universidade de Lisboa.

Santos Silva também apontou a experiência do professor universitário na própria organização, para a qual tem trabalhado como perito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.