Presidente da República levado ao hospital por precaução

Marcelo Rebelo de Sousa desmaiou este sábado, à saída de uma visita ao Santuário do Bom Jesus. Primeiro diagnóstico foi de "quebra de tensão"

Em atualização

O Presidente da República a teve esta manhã "uma ligeira indisposição" à saída da Basílica do Bom Jesus. "Por precaução, seguindo conselho médico, deslocou-se ao Hospital de Braga, sendo de esperar uma adaptação do programa previsto para este fim de semana", refere uma nota da Presidência da República.

Fonte oficial de Belém disse ao DN que Marcelo foi ao hospital para confirmar o diagnóstico de quebra de tensão que foi feito no local pelo INEM, sempre em coordenação com o médico da Presidência.

O desmaio de Marcelo Rebelo de Sousa ocorreu às 12:48 durante uma visita ao Santuário. A causa do desmaio foi atribuída ao forte calor que se sente hoje em Braga, para onde estão previstos 37 graus. Aliás, poucos minutos depois de Marcelo Rebelo de Sousa ter desmaiado, fonte da presidência da República, disse ao DN que o chefe de Estado "teve uma indisposição provavelmente originada pelo calor".

Marcelo teve uma quebra de tensão, desmaiou e foi levado em braços. Foi assistido no local pelo INEM no Hotel do Templo, em frente ao santuário, primeiro por uma viatura de emergência médica e depois por uma ambulância do INEM. Após ser visto pelos médicos, ficou a descansar no hotel, mas por precaução foi decidido levá-lo ao hospital.

Menos de uma semana depois da formalização da candidatura das Festas de São João de Braga a Património Cultural Imaterial, Marcelo Rebelo de Sousa tinha previsto passar hoje o dia na cidade, começando por visitar o Santuário do Bom Jesus do Monte ao final da manhã.

A agenda presidencial previa a abertura oficial das Festas de S. João, uma visita ao "Braga a Sorrir", no antigo Hospital de S. Marcos e terminava com a inauguração de estátua a S. João na Rotunda do Parque da Ponte, às 19 horas. Conforme a nota da Presidência, são esperadas alterações nos programas previstos para este fim de semana.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.