Presidente da República levado ao hospital por precaução

Marcelo Rebelo de Sousa desmaiou este sábado, à saída de uma visita ao Santuário do Bom Jesus. Primeiro diagnóstico foi de "quebra de tensão"

Em atualização

O Presidente da República a teve esta manhã "uma ligeira indisposição" à saída da Basílica do Bom Jesus. "Por precaução, seguindo conselho médico, deslocou-se ao Hospital de Braga, sendo de esperar uma adaptação do programa previsto para este fim de semana", refere uma nota da Presidência da República.

Fonte oficial de Belém disse ao DN que Marcelo foi ao hospital para confirmar o diagnóstico de quebra de tensão que foi feito no local pelo INEM, sempre em coordenação com o médico da Presidência.

O desmaio de Marcelo Rebelo de Sousa ocorreu às 12:48 durante uma visita ao Santuário. A causa do desmaio foi atribuída ao forte calor que se sente hoje em Braga, para onde estão previstos 37 graus. Aliás, poucos minutos depois de Marcelo Rebelo de Sousa ter desmaiado, fonte da presidência da República, disse ao DN que o chefe de Estado "teve uma indisposição provavelmente originada pelo calor".

Marcelo teve uma quebra de tensão, desmaiou e foi levado em braços. Foi assistido no local pelo INEM no Hotel do Templo, em frente ao santuário, primeiro por uma viatura de emergência médica e depois por uma ambulância do INEM. Após ser visto pelos médicos, ficou a descansar no hotel, mas por precaução foi decidido levá-lo ao hospital.

Menos de uma semana depois da formalização da candidatura das Festas de São João de Braga a Património Cultural Imaterial, Marcelo Rebelo de Sousa tinha previsto passar hoje o dia na cidade, começando por visitar o Santuário do Bom Jesus do Monte ao final da manhã.

A agenda presidencial previa a abertura oficial das Festas de S. João, uma visita ao "Braga a Sorrir", no antigo Hospital de S. Marcos e terminava com a inauguração de estátua a S. João na Rotunda do Parque da Ponte, às 19 horas. Conforme a nota da Presidência, são esperadas alterações nos programas previstos para este fim de semana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.