Portugueses separam fações rivais em Bangui. Morreram dezenas de civis

Um 'capacete azul' do Ruanda e pelo menos três dezenas de civis morreram nos confrontos desta madrugada entre muçulmanos e católicos em Bangui.

'Capacetes azuis' portugueses intervieram na madrugada desta quarta-feira para separar grupos rivais muçulmanos e católicos em Bangui, cujos confrontos resultaram na morte de um militar ruandês e pelo menos três dezenas de civis, informaram fontes militares.

Os corpos das vítimas civis foram depositados esta manhã junto ao quartel-general das forças da ONU na República Centro-Africana (MINUSCA), transportados em camionetas e por populares durante uma manifestação pacífica, disse ao DN o porta-voz do Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA).

O comandante Coelho Dias adiantou que os paraquedistas portugueses envolvidos na operação tiveram como "missão primária a proteção dos civis" na zona dos confrontos, envolvendo grupos do 3º e do 5º distritos de Bangui (muçulmano e católico, respetivamente)

Note-se que os militares portugueses ao serviço da ONU estão aquartelados junto ao aeroporto de Bangui, na zona norte, enquanto o quartel-general da MINUSCA se situa a oeste da cidade.

Nos confrontos desta noite ficaram feridos oito militares ruandeses da MINUSCA e dezenas de civis, desconhecendo-se se estes são apoiantes dos grupos rivais ou populares apanhados no fogo cruzado.

"Esta noite foi trágica", assumiu uma das fontes militares ouvidas pelo DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.