Portugal eleito melhor destino europeu

Portugal eleito pela primeira vez melhor destino europeu. No total, o País ganhou 37 'óscares' do Turismo. Veja aqui a lista

Portugal ganhou, pela primeira vez, o prémio de melhor destino europeu dos World Travel Awards, os 'óscares do Turismo' numa cerimónia que decorreu hoje, em São Petersburgo, na Rússia.

Presente na cerimónia, a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, comentou que receber esta distinção inédita "é uma honra e um grande orgulho" e mostra que "todo o país é um ativo incrível e motivo de visita".

Para a governante, o prémio é resultado do "empenho de todos em tornar Portugal um destino turístico de excelência, com uma diversidade de oferta única e que se estende por todo o território".

Ser o país a ganhar este prémio é um claro indício de que estamos no bom caminho, aquele que mostra a diversidade que temos para oferecer, de norte a sul, do litoral ao interior

Além de Portugal, estavam nomeados para o prémio Áustria, Reino Unido, França, Alemanha, Grécia, Irlanda, Itália, Noruega, Espanha, Suécia, Suíça e Turquia.

Nesta cerimónia, Portugal foi o país que mais prémios recebeu, "30% do total", segundo informação da Secretaria de Estado. O país recolheu 37 'óscares', mais 13 do que em 2016.

Estes são alguns exemplos:

Melhor companhia aérea líder para África: TAP

Melhor companhia aérea líder para América do Sul: TAP

Melhor revista InFlight da Europa: Up Magazine (TAP)

Melhor Porto de Cruzeiros da Europa: Lisboa

Melhor empresa em cruzeiros fluviais: Douro Azul

Melhor destino de praia da Europa: Algarve

Melhor ilha de destino na Europa: Madeira

Melhor projeto de desenvolvimento turístico da Europa: Passadiços do Paiva

Veja os restantes premiados aqui

Melhor organismo europeu oficial de turismo: Turismo de Portugal

Estes reconhecimentos "trazem a responsabilidade acrescida de continuarmos, sempre, a qualificar os nossos destinos, a nossa oferta, os nossos recursos humanos e a inovar de forma a garantir que estamos à altura das exigências de uma procura cada vez mais sofisticada e exigente", acrescentou Ana Mendes Godinho.

Na cerimónia, o Turismo de Portugal, pela quarta vez consecutiva, foi eleito o melhor organismo europeu oficial de turismo.

Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal, manifestou o "enorme orgulho" da distinção para um "organismo que tem apenas dez anos".

Se o Turismo de Portugal goza, hoje, de uma notoriedade e reputação inigualáveis, é devido a todos quantos, diariamente, se esforçam para ultrapassar desafios e superar recordes, tendo em mente um objetivo comum: liderar o turismo do futuro

"Este é, sem dúvida, também um reconhecimento da nossa estratégia turística e dos bons resultados que, ano após ano, o setor tem vindo a alcançar. Não é por acaso que o exemplo português é já considerado um 'case study' [caso de estudo] internacional", concluiu Luís Araújo.

O porto de Lisboa foi também eleito "Melhor Porto de Cruzeiros da Europa", pela qualidade de serviços e pelas infraestruturas disponíveis para os turistas que visitam e fazem escala na cidade.

Os World Travel foram criados em 1993 e a seleção dos nomeados é realizada à escala mundial por milhares de profissionais do setor.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.