Portugal à frente da Europa no tratamento da obesidade

Portugal é um dos poucos países do mundo que faz mais o bypass gástrico - considerada a melhor cirurgia para perder peso. A velha banda gástrica já passou à história

João Couchinho, 52 anos, submeteu-se a uma cirurgia para colocar uma banda gástrica em 2006. Teria aproximadamente 147 quilos e pensou, naquela altura, que a operação considerada "menos invasiva" seria a melhor. Enganou-se. "Não funcionou bem. Perdi peso, mas o corpo não aceitou a banda. Comecei a ter problemas no esófago, vómitos. A banda foi alargando e acabei por voltar ao peso inicial", recorda ao DN. Viu-se novamente confrontado com problemas do sono e outros relacionados com a obesidade. Já neste ano, em janeiro, João foi submetido a um bypass gástrico na CUF, tendo sido operado pelo cirurgião Carlos Vaz com recurso ao robô Da Vinci. "Já lá vão 35 quilos perdidos. Sinto-me muito bem."

Ao contrário do que acontece na Europa, onde a gastrectomia em sleeve (cirurgia de redução do volume do estômago) é agora a operação mais realizada, o bypass gástrico (redução do estômago e derivação do intestino) - considerada a melhor - é a cirurgia da obesidade mais frequente em Portugal. Das 1952 cirurgias bariátricas (para redução de peso) realizadas no país no ano passado, a mais efetuada foi o bypass gástrico (712), seguido da gastrectomia em sleeve (667). Em terceiro lugar surge o minigastric bypass (147) e só em quarto a banda gástrica (8), de acordo com os dados apresentados na 14.ª edição do congresso B.E.S.T. - Bariatric Endoscopy Surgery Trends, organizado pela Academia CUF e pelo Hospital CUF Infante Santo.

Já na Europa, onde foram realizadas 228 944 cirurgias contra a obesidade no ano passado, é atualmente a gastrectomia em sleeve que lidera (104 133). Em segundo lugar surge o bypass gástrico (48 850), em terceiro o minigastric bypass (19 539) e só em quarto a banda gástrica (9750). Para o especialista que apresentou o estudo, Luigi Angrisani, ex-presidente da International Federation for the Surgery of Obesity and Metabolic Disorders (a sociedade mundial de cirurgia para tratamento da obesidade), "a razão mais provável para que a gastrectomia em sleeve, uma operação relativamente recente e mais simples (embora também menos eficaz), tenha ultrapassado o bypass gástrico em Y de Roux, que continua a ser considerado o gold-standard da cirurgia da obesidade, parece prender-se com a simplicidade de execução técnica que a torna mais atrativa para mais cirurgiões".

Uma opinião partilhada por Carlos Vaz, coordenador do Centro de Tratamento Cirúrgico da Obesidade e Diabetes Tipo 2 do Hospital CUF Infante Santo: "A gastrectomia é uma operação mais simples do que o bypass e mostra ser mais eficaz e dar menos complicações do que a banda, que chegou a ser a mais realizada na Europa. Tornou-se popular por causa disso." Para 70% a 80% dos doentes, prossegue, o bypass é a melhor opção, "o que quer dizer que se calhar há muitos doentes que foram prejudicados na opção", mas que provavelmente foram operados com maior rapidez, porque, como é uma cirurgia mais simples, há mais cirurgiões a fazê-la.

Luigi Angrisani destaca que "Portugal é um dos poucos países do mundo em que o "bypass gástrico em Y de Roux", a operação que continua a ser considerada a que melhor relação risco/benefício apresenta para os doentes, se mantém como a mais realizada", o que, para o médico, está relacionado com "uma certa centralização da cirurgia da obesidade em Portugal, o que garante equipas cirúrgicas mais treinadas e experientes em procedimentos mais complexos".

10% são cirurgias de revisão

Das 698 800 cirurgias de obesidade realizadas no ano passado em todo o mundo, 50 895 foram procedimentos de revisão. "São doentes que fizeram cirurgias bariátricas e que vêm fazer uma nova operação porque recuperaram peso", explica Carlos Vaz, adiantando que é feita uma conversão da cirurgia inicial numa outra, como aconteceu com João Couchinho. Segundo o especialista, o índice de insucesso das cirurgias de obesidade é de 20%, embora na banda gástrica, por exemplo, possa chegar aos 50%. Um número que pode parecer elevado mas que não é quando comparado com as tentativas "conservadoras" de perda de peso (nutrição, exercício, acompanhamento psicológico), onde o índice de sucesso não chega aos 10%, nos casos de obesidade severa ou mórbida (obesidade grau II ou III).
Por cá, registaram-se 154 procedimentos de revisão no ano passado. Esta é uma intervenção para a qual está indicada a cirurgia robótica, que utiliza o robô Da Vinci - uma extensão das mãos e dos olhos do cirurgião - e que, segundo Carlos Vaz, ainda só está disponível em hospitais privados em Portugal. O especialista, o único formador oficial de cirurgia robótica de obesidade na Península Ibérica, explica que, com o aparelho, "controla os instrumentos" através de uma espécie de consola e com um interface digital, o que lhe permite fazer coisas que não conseguia quando manuseava diretamente os instrumentos na cirurgia laparoscópica (menos invasiva do que a convencional, utiliza pequenas incisões para realizar os procedimentos com o auxílio de uma espécie de câmara de alta resolução).

A robótica é também indicada para o bypass gástrico, no qual é necessário fazer "uma ligação entre o estômago e o intestino", um dos procedimentos que geram mais riscos na cirurgia. "Com a robótica, faz-se a ligação com uma sutura muito mais precisa e segura. Há mais liberdade de movimentos e aumenta a segurança do procedimento." Segundo o médico, o robô ainda é muito caro, mas deverá ficar disponível no Serviço Nacional de Saúde dentro de poucos anos.

Ler mais

Exclusivos