Porto pagará indemnização por não execução de parque subterrâneo

Câmara quer resolver situação pagando mais de 600 mil euros

A Câmara do Porto deverá pagar mais de 613 mil euros de indemnização pela não execução do contrato de construção e exploração de um parque de estacionamento subterrâneo na zona da avenida da Boavista, celebrado em 2001.

De acordo com a proposta que a vereadora dos pelouros dos Transportes, Fiscalização e Proteção Civil, Cristina Pimentel, leva na quinta-feira à reunião camarária, a que a Lusa teve hoje acesso, o executivo pretende "resolver convencionalmente" o contrato que foi celebrado em outubro de 2001 entre o município e o consórcio SPEL, SA, e Contacto, SA, "procedendo-se ao pagamento das respetivas indemnizações".

As construtoras, "já de uma forma desagrupada e independente", manifestaram vontade em dezembro em resolver o contrato "pela alteração anormal das circunstâncias".

A SPEL, que assume a atual designação de SABAPortugal -- Parques de Estacionamento, SA, pretende ser indemnizada em 517.560 euros "referente a danos emergentes pela não execução do contrato de concessão", e a Contacto, SA, que foi incorporada pela Soares da Costa, quer 95.468 euros de indemnização pela mesma razão.

O concurso público foi aberto em outubro de 1998 pelo executivo então liderado pelo socialista Fernando Gomes, para a concessão da construção e exploração -- por um prazo de 20 anos - de um parque público de estacionamento subterrâneo de viaturas na avenida da Boavista, no troço compreendido entre a rua António Cardoso e a rua Guerra Junqueiro, com capacidade para cerca de 500 lugares, tendo o contrato sido celebrado em 15 de outubro de 2001.

"O contrato não foi executado devido a indefinições relativas à linha do metro, ou seja, o processo ficou suspenso, porque o município não podia deferir o pedido por causa da linha do metro", lê-se na proposta.

O documento explica que, "posteriormente, cessadas as indefinições, em 12 de julho de 2013, o município procedeu à notificação da concessionária para que avançasse com a construção. No entanto, surgiu a necessidade de readaptar o projeto de arquitetura, o que levou a empresa a efetuar um estudo financeiro (2013), que viria a concluir que a oferta de parques na área de influência do parque de estacionamento é muito maior".

Assim, "os estudos concluíram que não existe viabilidade financeira para a construção deste parque, tendo perdido o interesse na execução do contrato".

A proposta que vai a reunião do executivo prevê ainda a aprovação da minuta de escritura pública de resolução convencional do contrato, "após concessão do visto do Tribunal de Contas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".