Atrasos nas obras da Ponte 25 de Abril podem reduzir comboios

Carlos Pina, presidente do LNEC, garantiu ainda que a estrutura não está em risco de colapso

O presidente do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) assegurou esta quarta-feira que a Ponte 25 de Abril não está em risco de colapso, mas salientou que, se as obras não decorrerem brevemente, o tráfego ferroviário terá de ser reduzido.

Carlos Pina foi hoje ouvido na Comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas por requerimentos do CDS-PP, do PCP e do PSD, sobre um relatório relativo à necessidade de intervenções na Ponte 25 de Abril, que devem demorar mais de dois anos.

O responsável assegurou que a Ponte 25 de Abril não está em risco de colapso, apesar de a palavra "colapso" ter sido usada no relatório.

"A palavra 'colapso' é utilizada em termos de engenharia em vários contextos. Na Ponte 25 de Abril já se verificou o colapso nas zonas que têm as fissuras. Pontualmente, nas zonas onde tem fissuras já entrou em colapso. Aquilo que é referenciado neste relatório é que, além da situação pontual, pode ocorrer o colapso de algum elemento estrutural: um conjunto de pontos, uma chapa de aço que está colocada em cima de uma viga. É esse o colapso que está referenciado naquele parágrafo, onde é utilizada esta palavra", explicou.

A eventual ocorrência desta situação "não evolui de imediato para uma situação gravosa para a ponte", que "tem um conjunto de ligações de elementos que, no seu todo, garantem a sua segurança", disse.

"Podem ocorrer pequenos colapsos, pequenos pormenores, por exemplo numa zona um parafuso estar menos apertado, sem pôr em risco a funcionalidade da obra", se esta ocorrer "nos tempos que nós prevemos para esta execução, que é de cerca de três anos", afirmou, assegurando ainda que "o LNEC estará sempre a acompanhar o comportamento da obra para detetar comportamento anómalo".

Carlos Pina realçou que, apesar de o primeiro projeto da ponte, em 1966, já prever que a infraestrutura fosse reforçada para o tráfego ferroviário, a passagem diária de comboios tem representado um esforço para a estrutura.

Caso nas obras não se iniciem num "curto prazo", de acordo com Carlos Pina, terão de ser adotadas "medidas de mitigação, como a redução do tráfego ferroviário".

"As medidas podem passar por diminuição da dimensão dos comboios e reduzir o tráfego de mercadorias", afirmou.

Nesse sentido, "vai existir um plano de monitorização específico para o período da obra" para mitigar os efeitos que estão a ocorrer.

"O cronograma de execução das obras vai no sentido de mitigar os efeitos que estão a ocorrer. Portanto, nas zonas mais gravosas vai atuar-se primeiro", realçou.

O cronograma prevê um ano para se iniciarem as obras e dois para as obras, "pelo que três anos, talvez um pouco mais se atrasarem um pouco as obras".

"Mas nessa altura já foram resolvidas as zonas mais gravosas", sublinhou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.