PJ prevê aumento de 300% das burlas na internet

A Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica (UNC3T) da PJ tem apenas 33 inspetores em Lisboa, um terço dos anunciados 100, quando foi criada em 2016

O pretexto foram duas grandes operações da Europol de combate às fraudes com meios de pagamento eletrónico - E-Commerce" e "Global Airport Actions Days - , nas quais a PJ participou. Mas o diretor da UNC3T, Carlos Cabreiro, apresentou também algumas novidades sobre a evolução da cibercriminalidade em Portugal.

De acordo com os dados oficiais, as burlas comuns através da internet, devem subir cerca de 300% este ano. Em 2017 foram registados 335 inquéritos desta natureza - principalmente ligados à compra e venda de produtos online - e a projeção da PJ é que cresçam este para 1340. Nos primeiros seis meses do ano já foram abertos 670 inquéritos destas fraudes.

Carlos Cabreiro explica que parte desta subida também se deve ao facto de ter sido "definida melhor a classificação de registo dos cibercrimes e haver casos que estavam noutras categorias".

Apesar deste recrudescimento, no balanço global que foi apresentado, manter-se-á, no entanto a tendência de diminuição dos cibercrimes que se começou a afirmar em 2017 (menos 19,4%), embora, de acordo ainda com as projeções, bastante menos expressiva em 2018 (menos 3%). No ano passado foram investigados pela PJ 9819 casos, em 2016 foram 12190 e a estimativa para 2018 é de 9520.

As "burlas informáticas" são a categoria com o número mais elevado de inquéritos (7 326 em 2017; 3268 no primeiro semestre deste ano e uma projeção de 6538 até final do ano). Encontram-se entre estas investigações os casos de "phishing", através do qual os criminosos conseguem dados pessoais, como passwords ou dados bancários, para se apropriarem de valores das vítimas.

Acessos ilegítimos, sabotagem informática, pornografia de menores, injúria, difamação e publicidade caluniosa, reprodução ilegítima, entre outros, são também investigados pela UNC3T.

Um terço dos inspetores prometidos

O responsável da UNC3T disse ao DN que grande parte destes estes crimes são "muito complexos, cada vez mais exigentes de investigar e exigem recursos especializados". Carlos Cabreiro não hesita em confirmar que a unidade precisa de mais gente. "É evidente que são necessários reforços", assinala.

Quando foi criada em 2016, foi prometido pela direção da PJ, na altura liderada por Almeida Rodrigues - substituído este mês por Luís Neves - que a UNC3T deveria ter 100 inspetores. Tem 33 neste momento.

Questionado sobre a taxa de resolução destes inquéritos, a PJ reconhece que apenas 25% seguem com arguidos para a acusação, mas frisa que grande parte são arquivados por "acordo entre as partes".

No seu discurso de tomada de posse, Luís Neves colocou o combate à cibercriminalidade, como uma das suas prioridades.

As operações da Europol

Na conferência de imprensa esta manhã, Carlos Cabreiro realçou que, no último mês, a PJ participou em duas operações à escala internacional - os casos "E-Commerce" e "Global Airport Action Days".

No caso "E-Commerce", entre 04 e 15 de junho, foi desencadeada uma operação internacional coordenada pela Europol que visou o combate a ilícitos praticados através da internet, nomeadamente a aquisição de bens em comerciantes, utilizando dados de cartões bancários adquiridos de forma fraudulenta.
Em Portugal, precisou Carlos Cabreiro, foram efetuadas seis detenções num total de sete pessoas constituídas arguidas. Os detidos ficaram em prisão preventiva.

Da operação resultou ainda a apreensão de 205 mil euros, objetos no valor de 13 mil euros, veículos automóveis e 700 cartões de crédito prontos a serem utilizados de forma fraudulenta.

Na operação "Global Airport Action Days", que decorreu de 18 a 22 de junho, relacionada com fraudes na aquisição online de bilhetes de avião, o responsável da PJ mencionou que participaram 61 países e 69 companhias aéreas, incluindo a TAP, bem como seis agências de viagens.

Equipas policiais estiveram em 226 aeroportos internacionais e em Portugal houve intervenção no aeroporto de Lisboa e Faro.

(Atualizada às 17:10 com informações sobre as operações da Europol)

Ler mais

Exclusivos