Peniche exige do Estado cinco milhões para reabilitar Fortaleza

Autarquia defende que tem de ser o Estado a financiar intervenção na Fortaleza, que foi retirada da lista de monumentos a concessionar

O presidente da câmara de Peniche exigiu hoje que o Estado invista a curto prazo na reabilitação da Fortaleza da cidade, depois de ter sido retirada da lista de monumentos históricos a concessionar a privados.

"Peniche não vai arredar pé. Se a Fortaleza foi retirada do programa Revive por razões de caráter nacional, terá de ser o Estado a financiar de forma significativa a intervenção" disse António José Correia (PCP), na sequência da aprovação pela Assembleia da República de uma proposta do recomenda ao Governo que avance em 2017 com a elaboração de um plano de reabilitação.

Num relatório sobre o estado de degradação, a que a agência Lusa teve acesso, a autarquia estima em 5,5 milhões de euros intervenções consideradas urgentes para pôr face ao avançado estado de degradação e evitar a eventual ruína, "que já se verifica ou está iminente", de partes da Fortaleza, afetas à antiga prisão política até abril de 1976, que estão fechadas e devolutas há várias décadas.

Os técnicos municipais apontam para a reabilitação integral de três pavilhões, dois dos quais estão fechados e devolutos, com obras em toda a sua estrutura, mas também na estabilização da muralha e reparação de espaços exteriores.

Numa segunda fase, apontam para um plano de valorização do monumento e mais investimento, para que possa ser utilizado na sua totalidade.

Numa reunião de auscultação à população, promovida na quarta-feira à noite pela câmara e assembleia municipal, com mais de uma centena de pessoas, a esmagadora maioria defendeu que o monumento tem de ser requalificado para aí ser instalado um grande Museu da Resistência Antifascista, que preserve a memória do passado histórico daquela antiga prisão política, e que o restante espaço possa ser utilizado para albergar exposições, atividades económicas ou associações locais.

Muitos cidadãos continuam a ser favoráveis à concessão do espaço a privados para fins turísticos, esgotadas todas as outras possibilidades de encontrar financiamento para reabilitar o imóvel, indo ao encontro da posição que a câmara tem assumido.

Este mês, o Governo anunciou que pretende até final de janeiro fazer com a câmara o diagnóstico técnico ao estado do imóvel, para vir a ter uma estimativa de custos das futuras obras. António José Correia adiantou que já foram realizadas três visitas técnicas.

O Governo comprometeu-se também a criar um grupo de trabalho com o município para definir futuros usos a dar ao espaço. Contudo, não inscreveu quaisquer verbas para a sua reabilitação no Orçamento do Estado para 2017.

Apesar de ter sido retirada do programa Revive, o autarca defendeu que "nada está fora de hipótese" para o futuro da Fortaleza, incluindo a criação de um hotel, se essa for a condição para haver dinheiro que possa financiar a sua reabilitação.

A fortaleza e as muralhas de Peniche estão desde 1938 classificadas como monumento nacional.

Desde a década de 1980, altura em que foi aí criado um pequeno museu municipal, que a câmara defende a instalação aí de uma unidade de alojamento turístico como forma de gerar receitas para a sua reabilitação.

Em setembro, foi um dos monumentos integrados na lista de monumentos a concessionar a privados para fins turísticos no âmbito do programa Revive pelo Governo, após auscultação da câmara municipal. A intenção era entregar a privados 30% do espaço correspondente aos blocos que estão devolutos.

Contudo, a decisão suscitou alguma polémica com as opiniões a dividirem-se entre os que estão a favor do projeto e os que estão contra, vindo o próprio Governo a recuar em novembro, mas sem ouvir a câmara.

A Fortaleza de Peniche foi uma das prisões do Estado Novo, de onde se conseguiram evadir diversos militantes, entre os quais o histórico secretário-geral do PCP Álvaro Cunhal, em 1960, protagonizando um dos episódios mais marcantes do combate àquele regime ditatorial.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.