PCP vai chumbar liberalização da canábis para uso médico

Tudo aponta para o chumbo dos projetos do BE e do PAN que estão a ser discutidos na AR. A não ser que baixem à comissão sem votação.

O PCP é contra os projetos do BE que viabilizam o uso da canábis para fins médicos. O sentido de voto foi anunciado esta tarde no Parlamento, que está a discutir os dois diplomas.

Se os dois diplomas forem votados, tudo aponta, portanto, para o chumbo. Mas ainda é cedo para dizer pode ser que desçam à comissão sem votação. A haver votação, aos votos contra do PCP, somam-se os do PSD e do CDS, o que faz maioria absoluta.

O PCP argumentou, através da deputada Carla Cruz, que o BE e o PAN pretendem, na verdade, "de forma encapotada, abrir caminho à utilização para fins recreativos". Isto porque ambos admitem o auto-cultivo de canábis.
Adeputada argumentou ainda que face à atual lei "já é possível a utilização da canábis para fins terapêuticos" e o Infarmed até já autorizou um medicamento à base de canábis, para doentes com esclerose múltiplo.

Em alternativa aos projetos, o PCP propõe, numa recomendação (portanto, sem valor vinculativo, caso aprovada) que o Governo mande fazer a "avaliação clínica" da utilização da canábis para efeitos terapêuticos e o estudo de como pode ser utilizada no SNS. O projeto comunista parece reunir maioria para ser aprovado.

O PEV também anunciou que vota contra, com os mesmos argumentos do PCP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.