PCP quer repor indemnizações nos valores de 2011

Bancada comunista defende reversão de alterações ao Código do Trabalho feitas pelo governo anterior do PSD e CDS. E aguarda o que dirá o PS sobre este projeto de lei

O PCP quer repor os montantes e as condições para as indemnizações por despedimento e cessação do contrato de trabalho, que estavam em vigor antes da revisão do Código de Trabalho em 2012.

Segundo o projeto de lei, que deu agora entrada no Parlamento, a bancada comunista acusa o governo anterior do PSD/CDS de ter promovido um "retrocesso civilizacional" com aquela revisão, facilitando os despedimentos e oferecendo "de mão beijada ao patronato indemnizações por despedimento a preço de saldo", como se lê na exposição de motivos da proposta comunista.

"Independentemente de outras regras que precisam de ser revistas", notou ao DN a deputada Rita Rato, a alteração das regras nas indemnizações "foi uma das medidas mais gravosas da revisão do Código do Trabalho".

Não é meigo o retrato que o PCP faz, na apresentação da sua proposta, da alteração ao código laboral. "Alguém com 30 anos de casa fica com o limite máximo de 12 anos de indemnização. É menos de metade", exemplificou. São "indemnizações miseráveis face aos anos de trabalho", insistiu.

Segundo o projeto de lei, "o valor que os trabalhadores recebem de indemnização, em caso de despedimento, passou de 30 dias para 20 dias por cada ano de trabalho com o limite de 12 anos de casa. Isto é, um trabalhador com 30 anos de casa passou a receber apenas por 12 anos de trabalho, e o Governo discutiu a possibilidade de a indemnização passar a ser, em vez de 20, 8 a 12 dias de indemnização por cada ano de trabalho".

Neste caso, a bancada do PCP refere-se a 20 dias para despedimento de trabalhador efetivo, 8 dias para a renovação de contrato a termo com menos de 3 anos e 12 dias para contratos a termo com mais de 3 anos. "Ao facilitar os despedimentos, PSD e CDS não aumentaram o emprego como ardilosamente defendiam, mas antes agravaram o desemprego. A dimensão das alterações gravosas do Código do Trabalho tornou bem evidente que o objetivo de PSD e CDS foi a imposição de uma estratégia de substituição de trabalhadores com direitos por trabalhadores sem direitos", criticam os comunistas no articulado a que o DN teve acesso.

O PCP terá de contar com o apoio dos socialistas, que neste momento não está garantido. "É isso que queremos saber: saber o que pensa o Governo. Ainda não discutimos com o PS e com outros", reconheceu Rita Rato.

O que está no código laboral atual

Aquilo que prevê hoje em dia o Código do Trabalho para o cálculo da compensação por caducidade de contrato de trabalho a termo certo (no máximo de 3 anos) é uma compensação igual a 18 dias de retribuição base e diuturnidades por cada ano completo de antiguidade. Já no caso de caducidade de contrato de trabalho a termo incerto, a compensação prevista é igual "a 18 dias de retribuição base e diuturnidades por cada ano completo de antiguidade, no que respeita aos três primeiros anos de duração do contrato" e "a 12 dias de retribuição base e diuturnidades por cada ano completo de antiguidade, nos anos subsequentes".

Para o caso de despedimento, "a compensação corresponde a 12 dias de retribuição base e diuturnidades por cada ano completo de antiguidade".

O que defende o PCP

A bancada comunista prevê com o seu projeto de lei a reposição dos valores de compensação por caducidade e despedimento. Nos contratos a termo (certo ou incerto) a compensação corresponde a 3 ou 2 dias de retribuição base e diuturnidades por cada mês de duração do contrato ou fração de mês, sempre que este não exceda ou seja superior a 6 meses, respetivamente. E nos casos de despedimento, a compensação a pagar corresponde a 30 dias de retribuição base e diuturnidades por cada ano completo de antiguidade ou fração de ano. E esta compensação não pode ser de valor inferior a 3 meses de retribuição base e diuturnidades.

Os comunistas entendem que a revisão do Código do Trabalho, em 2012, "representou a imposição do trabalho forçado e gratuito com a eliminação de feriados, redução de dias de férias e corte de dias de descanso obrigatório", "visou a diminuição de salários", "promoveu o aumento da precariedade", "constituiu um forte ataque à contratação coletiva", "promoveu despedimentos" e reduziu as indemnizações. É isto que querem reverter agora.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.