Partidos políticos não pagam estacionamento

A revelação é feita pela ex-presidente da Entidade das Contas e Financiamentos Políticos que descobriu um regulamento da câmara de Lisboa que isenta os partidos de pagar estacionamento

Margarida Salema considera que esta norma municipal é ilegal dado que os financiamentos partidários estão definidos por lei.

Em declarações ao Expresso, a ex-presidente da Entidade das Contas e Financiamentos Políticos diz que "não existe em Portugal a noção de que o partido tem de pagar por aquilo que faz. Há uma noção geral de que tudo é de graça".

Margarida Salema revela ainda outra inquietação: desde 6 de dezembro de 2016 que o Tribunal Constitucional não publica nenhum acórdão sobre as contas dos partidos ou das campanhas eleitorais.

Este atraso, refere, pode colocar em causa, nomeadamente, a aplicação de coimas. Os partidos, diz, "até agradecem" porque as coimas podem prescrever e os partidos ficam dispensados de pagar pelas infrações cometidas.

Mudanças?

No final de outubro, os vários grupos parlamentares assumiram o consenso sobre a autonomização da Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP), que deverá passar a aplicar as coimas por irregularidades nas contas partidárias e das campanhas eleitorais.

"Acordámos os diversos contributos que estão refletidos no documento. Trata-se de alterações minimalistas que tinham sido solicitadas pelo Tribunal Constitucional (TC) e que deverão ter uma apreciação rápida", disse, na altura, o coordenador do grupo de trabalho específico sobre financiamento dos partidos e das campanhas eleitorais, o social-democrata José Silvano, na reunião da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.

O presidente desta comissão parlamentar, o socialista Bacelar de Vasconcelos, limitou-se a dizer que faria distribuir o documento a todos os grupos parlamentares.

O documento, que não foi divulgado, só tomará forma de projeto de lei depois de obter o acordo final dos grupos parlamentares mas os deputados têm a intenção de aprovar as alterações à legislação antes das férias parlamentares.

Em causa está uma alteração à orgânica da ECFP para que esta entidade passe a ser dotada de "autonomia" não só para instruir os processos de contas mas para promover a aplicação das coimas.

No modelo atual, compete ao TC fazer um primeiro acórdão sobre as contas, que depois remete ao Ministério Público, órgão que promove a aplicação das coimas.

Esta alteração vai ao encontro do que foi defendido no início deste processo pelo presidente do Tribunal Constitucional, Manuel da Costa Andrade, num documento que dirigiu à Assembleia da República.

Na altura, o juiz conselheiro defendeu que a "solução mais indicada" e eficaz seria atribuir à Entidade das Contas e Financiamentos Políticos "a investigação das irregularidades e ilegalidades" e a eventual aplicação das coimas, e o TC funcionaria como instância de recurso.

Prazos mais alargados para a fiscalização das contas partidárias e de campanha eleitoral e alterações ao processo de notificações foram os outros pontos onde houve consenso, disse em junho à Lusa o deputado José Silvano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)